Por bferreira

Rio - Assim como em uma galeria de lojas, o Shopping Financeiro reúne vários produtos no mesmo lugar. Mas, ao contrário de prateleiras físicas, investimentos como renda fixa, ações, previdência privada e fundos imobiliários são expostos em um ambiente virtual. Por não exigir muito investimento inicial, a modalidade vem se tornando ainda mais popular procurada pela classe média.

O investidor Dalton Ferreira se tornou adepto da modalidade pela facilidade que encontrou%3A “Ficou mais simples aplicar meu capital”Paulo Araújo / Agência O Dia

Outras características fazem do shopping um espaço democrático. Nos bancos, o investidor só consegue adquirir os produtos da marca. Com esse conceito, é possível escolher entre o grande leque de aplicações e também de qual instituição pretende investir, nacional ou internacional.

Em países desenvolvidos, a prática já é comum. Nos Estados Unidos, por exemplo, o segmento ocupa 91% das aplicações. No Brasil, a XP Investimentos foi a pioneira ao trazer esse espaço para investidores em 2011. O diretor de varejo da companhia, Eduardo Glitz, explica que fazer aplicações na modalidade beneficia o próprio consumidor.

“O investimento por meio dos bancos não tem concorrência, o que pode tornar o produto mais caro e menos vantajoso”, afirma.

Além disso, é possível usar até mesmo R$ 100 para iniciar as aplicações no Shopping Financeiro. “Recomendamos um investimento inicial de R$ 10 mil, mas tem produtos para todos os perfis”, explica o diretor da XP.

O empresário e consultor financeiro da Par Soluções, André Degizor Toledo, afirma que a modalidade é direcionada para o investidor de classe média, já que são colocados à sua disposição diversos produtos a um custo baixo. “Ele é orientado quanto às características de cada tipo de investimento e auxiliado na identificação do perfil, colaborando para um mercado financeiro acessível”, comenta.

O agente de investimentos Dalton Ferreira é um exemplo. Ele se tornou adepto da modalidade em razão da facilidade que encontrou. “Ficou mais simples investir, já que tenho acesso a diversas formas de aplicação, com pouco e muito capital, riscos altos e baixos, sem precisar abrir várias contas”, relata.

5 minutos com André Degizor, consultor financeiro

1. O conceito de Shopping Financeiro veio para o Brasil há pouco tempo, por meio da XP Investimentos. As aplicações oferecidas são para qual perfil?
— O Shopping Financeiro é semelhante à ideia de um centro de compras, porém, os produtos oferecidos são investimentos. A modalidade nada mais é que um local onde o cliente tem acesso a diversos produtos financeiros para investimento por meio de uma conta única. Ele pode optar desde um fundo com perfil conservador até uma aplicação mais arrojada.

2. Quais são os perfis de investidor e as características de cada um?
— Como perfil de investidor podemos identificar basicamente três: o conservador, o moderado e o agressivo. No caso do conservador, temos o aplicador que está mais preocupado com a manutenção do valor investido, sem correr riscos, tendo como produtos mais indicados a caderneta de poupança e os fundos de investimento atrelados à variação do CDI (Certificado de Depósito Interbancário).

3. E o moderado?
— Já o moderado é aquele investidor que pensa em fazer crescer seu capital, no entanto, com riscos bastante calculados. Seus produtos financeiros mais recomendados são a renda fixa e as ações de empresas blue chips (companhias com maior volume negociado na Bolsa de Valores e mais estáveis). 

O perfil agressivo é daquele investidor que chamamos de “sangue frio”, pois seus investimentos são arriscados, com possibilidades de ganhos mais altos, porém com risco de perda bastante considerável.

Você pode gostar