Por thiago.antunes

Rio - Construído no século 18 para servir de aqueduto que conduzia água das nascentes do Corcovado para o chafariz do Largo da Carioca, o monumento dos Arcos da Lapa está ganhando um banho de tinta. Ou melhor, dois. Além da restauração feita pela prefeitura, as paredes centenárias estão sendo alvo da ação de pichadores, que agem, principalmente, de madrugada.

Os Arcos já estão quase completamente pintados, de um branco reluzente: o serviço deve ser finalizado nesta próxima semana, segundo a Secretaria de Conservação e Serviços Públicos. Uma equipe de vinte trabalhadores se reveza em turnos para dar um trato no monumento que fica no coração da Lapa.

Mas eles têm uma tarefa extra. Quase diariamente têm que retocar as pinturas, cobrindo as pichações com uma mão de tinta. A Secretaria de Conservação informou que, enquanto os serviços ainda estão acontecendo, a limpeza pode ser feita instantaneamente, mas que, quando a pintura for concluída, as limpezas terão que ser programadas.

A estudante Mayara desaprova a ação dos pichadores%3A ‘Quando temos a oportunidade de ver os Arcos mais bonitos%2C acontece isso”João Laet / Agência O Dia

Segundo o escalador Vitor Florêncio, de 28 anos, um dos responsáveis pela pintura na parte superior dos Arcos, a limpeza das pichações é quase diária. “A equipe da manhã cobre pichações praticamente todos os dias. Pichar é uma falta de consideração com nosso trabalho”, lamenta Vitor.

O operador fiscal Nilton Silva, 24, que trabalha na Lapa, não se conforma com as pichações: ‘Passo aqui bem cedo. Sempre vejo o estrago”. A estudante Mayara Carvalho, 20, também desaprova a ação dos pichadores. ‘Esse é um espaço público, de todos nós. Quando temos a oportunidade de ter os Arcos mais bonitos, acontecem essas pichações. Isso é um absurdo, um desrespeito com toda a sociedade”, reclama Mayara.

A Guarda Municipal, responsável, junto à Polícia Militar, por coibir a ação de pichadores, esclareceu, por meio de sua assessoria, que pichar é infração prevista na lei de crimes ambientais.

O trabalho de restauração já está quase acabando%2C mas os operários têm trabalho dobrado%3A diariamente passam uma mão de tinta sobre pichações feitas de madrugada Nei Lima / Agência O Dia

Apesar de tudo, nesta sexta-feira à tarde, as turistas Andréa Apolinário, de 36 anos, e Sílvia de Brum, 36, estavam encantadas e posavam diante do monumento. Vindas da cidade de São Paulo, as amigas eram só elogios ao ponto turístico. “Achei maravilhoso. E o fato de estar pintando para ficar ainda mais bonito é muito positivo”, comentou a técnica de enfermagem Andréa. “Gostei muito, bem legal’, disse Sílvia, que trabalha como podóloga.

Você pode gostar