Por bferreira

Rio - A greve dos vigilantes de bancos, que completa 40 dias na segunda-feira, está afetando não apenas os correntistas, mas também o comércio. Donos de lojas estão com dificuldade de continuar com a rotina comum, já que não têm dinheiro no caixa, faltando notas para trocos.

Essa é a dificuldade enfrentada pela operadora de caixa da loja Bandeirantes, Ana Paula Sobrinho. A profissional conta que os consumidores não conseguem trocar notas de valores altos no comércio de Vila Isabel, bairro afetado pela greve dos vigias, e estão até deixando de comprar. “Muitos não usam o cartão de débito, então escolhem um produto de baixo valor e querem troco para R$ 50,o que não temos”.

A gerente da loja Luciana Matheus conta que o<CW-11> período está difícil, e que sente uma diminuição do movimento. “A maioria dos nossos clientes não usa cartão de débito, então fica muito complicado para nós. Eles não têm dinheiro para pagar, então as nossas vendem caem. Não vemos a hora da greve acabar”, desabafa.

A falta de troco afeta ainda mais os pequenos comércios, como a loja Vila Lembranças, no mesmo bairro, que não aceita cartão. O dono do estabelecimento, Paulo Moraes, lamenta o ocorrido e relata perda de lucro. “As pessoas não conseguem sacar dinheiro, então como vão comprar?”, questiona.

Mesmo assim, representantes dos empresários acreditam que as reclamações dos lojistas são pontuais e que a greve dos vigilantes não tem ligação com o problema relatado.

Você pode gostar