Taxas do cartão de crédito variam em até 90%

agamento de contas utilizando o cartão de crédito custa R$ 1,99 no Citi e R$ 19,90 no Santander

Por O Dia

Rio - Não é apenas a taxa de juros cobrada no parcelamento da fatura que pode assustar quem usa o cartão de crédito. O Banco Central (BC) autoriza a cobrança de cinco tarifas sobre operações realizadas com o meio de pagamento cujos valores variam até 90% entre os bancos.

É o caso de quem utiliza a função crédito para pagar contas. Enquanto o Citi cobra R$ 1,99 a cada operação, o Santander cobra R$ 19,90, segundo dados de oito bancos compilados pelo Banco Central e atualizados no dia 5 de junho.

Outras tarifas, como a taxa emergencial para avaliação de crédito, registram variação menor: os bancos cobram de R$ 15 a R$ 18,90 quando as compras do cliente ultrapassam o limite de crédito disponível para o mês. Porém, exigem cautela do usuário do cartão, já que a cobrança é automática.

As cinco tarifas do cartão de crédito foram criadas para disciplinar as cerca de 80 taxas que eram cobradas pelos bancos. "Havia até tarifa para criar senhas", diz Ione Amorim, economista do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec).

Renata Reis, supervisora da área de Assuntos Financeiros do Procon-SP, recomenda pesquisar os valores das taxas cobradas no cartão de crédito antes de optar por determinado produto, ainda mais se o cliente utiliza as cinco operações com frequência. "O consumidor não pode cair na publicidade enganosa de que o cartão de crédito é gratuito: as taxas são cobradas por operação e também na aquisição do cartão, exemplo da anuidade", diz Renata.

Taxa emergencial de avaliação do crédito

Com valor entre R$ 15 e R$ 18,90, variação de 20,64% entre os oito bancos pesquisados, a taxa pode ser debitada a cada mês que o cliente ultrapassar o valor do limite disponível no cartão de crédito.

A tarifa pode ser considerada como o preço cobrado pelo banco por conceder crédito além do previsto. "Deveria existir uma trava quando o cliente atingisse o limite, mas os bancos alegam que o serviço é oferecido para que o consumidor não passe por constrangimentos", diz Renata, do Procon-SP.

Se o usuário não tiver disciplina financeira, mas também não quiser que o serviço seja cobrado, pode cancelá-lo.

Mas o fato de a taxa ser autorizada pelo Banco Central não quer dizer que pode ser cobrada sem o cliente saber disso, completa Renata. "Caso a instituição financeira não consiga comprovar que forneceu a informação sobre a taxa de maneira clara no contrato, pode ter de estornar o valor da tarifa ao cliente", diz.

Pagamento de contas com o cartão de crédito

O consumidor pode utilizar o cartão de crédito para pagar contas. Neste caso, o valor da tarifa cobrada pelo serviço varia 90%: de R$ 1,99, no Citi, até R$ 19,90, caso do Santander.

O valor é cobrado a cada operação. Ou seja, se o consumidor tem cinco contas para pagar, a taxa será cobrada cinco vezes.

Ione Amorim, economista do Idec, aponta que a operação só vale para contas com valores maiores e em caso de emergência, para escapar dos juros pelo atraso do pagamento. "No caso de contas de água com valor de R$ 100, por exemplo, acreditamos que a taxa é uma penalização, pois corresponde a 20% do total a ser pago".

Saque do cartão de crédito

O consumidor também pode utilizar o cartão de crédito para realizar saques em dinheiro. Porém, o banco pode cobrar uma tarifa a cada operação, que varia 66,67% entre os oito bancos pesquisados, de R$ 5 a R$ 15.

Além disso, neste caso o banco também cobra juros, pois a operação é considerada como uma linha de crédito. Os juros variam de acordo com a instituição financeira, e geralmente vem registrado no verso da fatura do cartão.

E também: Os sete pecados do cartão de crédito

Ione, do Idec, não recomenda utilizar a operação. "Os juros sobre o saque de valores do cartão de crédito, ao lado do parcelamento da fatura do cartão, o chamado crédito rotativo, é um dos maiores do mercado".

Anuidade do cartão

O banco cobra uma tarifa anual pelo fornecimento do cartão e seus serviços. Ela pode ser parcelada e cobrada na fatura durante três meses ou em até doze meses, dependendo da instituição financeira.

A taxa do cartão basico varia 30% entre as instituições financeiras, de R$ 42 a R$ 60. Outros cartões, como os internacionais, podem ter anuidade que chega a R$ 300, conta Ione, do Idec. "O consumidor precisa refletir se irá realmente utilizar todos os benefícios de cartões mais caros antes de optar por eles".

Segunda via do cartão

Os bancos também cobram uma tarifa caso o consumidor peça uma segunda via do cartão de crédito, seja por perda ou roubo do objeto. O valor desta taxa varia 50% entre os bancos, de R$ 5 a R$ 10.

Somente em casos de perda de funcionalidade do cartão, como falhas e não reconhecimento de chips, o banco é obrigado a restituir o cartão sem ônus ao cliente.

Últimas de _legado_Economia