Bovespa tem terceira queda seguida

Realização de lucros e Petrobras impactaram no pregão mais curtos desta terça-feira

Por O Dia

Rio - A Bovespa teve sua terceira queda seguida nesta terça-feira, pressionada pela realização de lucros de investidores e rumores eleitorais, que afetaram a ação da Petrobras. O pregão foi mais curto por conta do jogo do Brasil contra o México na Copa do Mundo, às 16h.

O Ibovespa teve baixa de 0,6%, a 54.299 pontos. O pregão encurtado reduziu o volume de negócios, que somou cerca de R$ 3,3 bilhões.

"O mercado de hoje está fraco e sem força, propício à realização de lucros. Lá fora temos somente notícias negativas como as do Iraque e a bolsa ainda tem uma 'gordura' para queimar", disse o estrategista-chefe da SLW Corretora, Pedro Galdi.

A maior refinaria de petróleo do Iraque, em Baiji, foi fechada e seus funcionários estrangeiros foram retirados do local, que foi cercado por grupos armados. O conflito deixou investidores mais cautelosos e preocupados com o preço do petróleo, o que ajudou a derrubar as ações da Petrobras, que importa derivados da commodity.

As ações de Banco do Brasil e Eletrobras, também estatais, foram outras que apareceram entre as maiores quedas do Ibovespa. O mercado tem comemorado a queda de Dilma nas pesquisas, em um momento de ceticismo com a economia.

Dados dos Estados Unidos também estiveram no radar. Os preços ao consumidor nos EUA tiveram o maior aumento em mais de um ano em maio, antes da decisão de política monetária do banco central norte-americano, o Federal Reserve (FED), na quarta-feira (18).

"A inflação mais alta pode fazer com que o Fed reveja a velocidade de sua política de normalização dos juros", afirmou a Elite Corretora.

Por aqui, além da Petrobras, as ações da depositária de títulos privados Cetip apareceram entre as maiores quedas, após a companhia divulgar dados operacionais de maio.

Analistas da XP Investimentos afirmaram que houve uma redução significativa no ritmo de registro dos ativos de renda fixa e derivativos e que o resultado foi impactado pelo menor crescimento das carteiras de crédito e apetite por captação das instituições financeiras.

Últimas de _legado_Economia