Para negociar, Argentina pede desbloqueio de pagamento de dívida

Terceira maior economia da América Latina foi empurrada à beira de um novo calote por uma série de decisões de tribunais dos EUA

Por O Dia

Argentina - A Argentina pressionará um juiz dos Estados Unidos a permitir o pagamento de cupons aos detentores da dívida reestruturada do país como condição para negociar com os credores que estão processando o país em busca do pagamento total, disse nesta quarta-feira o chefe de gabinete Jorge Capitanitch.

A terceira maior economia da América Latina foi empurrada à beira de um novo calote por uma série de decisões de tribunais dos Estados Unidos. As decisões forçaram o país a negociar com investidores que não aceitaram reestruturar seus títulos após a crise de dívida de 2002.

Cristina Kirchner tenta acalmar os investidores internacionaisReuters

Mais de 92% dos investidores do país aceitaram receber menos de 30 centavos para cada dólar nas restruturações de 2005 e 2010. Os restantes recusaram esses termos e querem o total, mas dizem que estão dispostos a negociar. O governo está enviando uma equipe a Nova York na semana que vem para determinar as condições de negociação por meio de um mediador selecionado pelos tribunais.

"Essas condições naturalmente vão incluir nosso objetivo de respeitar a reestruturação de 92,4% de nossa dívida e gerar condições justas para todos os credores", afirmou Capitanich em entrevista coletiva. "Vamos à reunião com esse objetivo", acrescentou.

A Argentina tentou fazer pagamento de cupom da dívida reestruturada na segunda-feira, mas o desembolso foi bloqueado pelo juiz Thomas Griesa, em Nova York, que disse que o governo precisa chegar a um acordo com os credores antes que novos pagamentos dos títulos reestruturados possam ser realizados.

O país tem até o fim do mês para firmar o acordo, sob ameaça de declarar o segundo calote soberano em 12 anos.

Últimas de _legado_Economia