Inflação oficial desacelera para 0,4% em junho com preços de alimentos caindo

No entanto, no acumulado dos últimos 12 meses, o IPCA ultrapassa o teto estipulado pelo governo

Por tamara.coimbra

Rio - A inflação oficial no Brasil desacelerou em junho para 0,40%, com alívio nos preços de alimentos e reforçando as perspectivas de que os juros não vão subir tão cedo, mas em 12 meses o indicador superou o teto da meta do governo. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) chegou em 12 meses até junho a 6,52%, acima dos 6,37% do mês anterior, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira.

O percentual ficou acima do teto da meta anual do governo, de 4,5%, com margem de dois pontos percentuais para mais ou menos. Em 6,52%, no entanto, o Banco Central ainda não teria de fazer explicações por meio de carta aberta porque adota a metodologia da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) para eventualmente arredondar a segunda casa do IPCA após a vírgula.

A última vez em que houve estouro do teto da meta e que o BC teve de publicar uma carta aberta foi em 2003, no primeiro ano do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, quando a alta do IPCA foi de 9,3%. Em maio, o IPCA havia subido 0,46% na base mensal. A expectativa para junho em pesquisa da Reuters era de alta de 0,39% e de 6,50% em 12 meses, na mediana das projeções.

Os grupos que mais contribuíram para a desaceleração da inflação em junho, segundo o IBGE, foram o de alimentação e bebidas, com deflação de 0,11% no mês, após ter avançado 0,58% em maio e no menor resultado desde julho de 2013 (-0,33%). Com isso, o grupo teve impacto negativo de 0,03 ponto percentual no indicador no mês passado.

Na ponta oposta, os grupos Transporte e Despesas pessoais mostraram aceleração nos preços, que foram influenciados pela Copa do Mundo no Brasil. O grupo Transporte teve alta de 0,37%, após a queda de 0,45% em maio. Os preços das passagens aéreas tiveram alta de 21,95% no mês passado.

Despesas pessoais tiveram inflação de 1,57% em junho, frente ao 0,80% de maio, com o maior impacto individual no IPCA de junho (0,17 ponto percentual). O grupo foi influenciado pela alta de 25,33% nos preços das diárias de hotéis em junho.

Apesar do nível alto da inflação ainda em 12 meses, o BC vem defendendo que os efeitos do aperto da política monetária ainda vão se materializar. A autoridade monetária vê o IPCA fechando este ano com alta de 6,4%, enquanto economistas consultados na pesquisa Focus do BC projetam 6,46%.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia