Ações para evitar reposição de dias de folga da Copa

Ministério da Saúde e Condsef já dialogam alternativa para compensar dias não trabalhados

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - Entidades representativas dos servidores públicos federais têm conseguido reverter a obrigação da reposição dos dias não trabalhados, devido ao ponto facultativo determinado pelo governo durante os jogos da Copa do Mundo.

Na última semana, integrantes da Condsef (Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal) dialogaram com o Ministério da Saúde, que, segundo a entidade, concordou em assinar um termo de acordo que desobriga o servidor a repor as horas não trabalhadas durante o Mundial.

Segundo a confederação, a reposição deverá ser feita por demandas que, no geral, não foram afetadas durante este período, e acordadas sempre com os gestores responsáveis de cada setor.

Já na Área Ambiental, a decisão preliminar é que o comunicado do Ministério do Planejamento não será adotado como referência. De acordo com a Condsef, serão seguidos os critérios da portaria que estabelece os critérios ligados ao assunto e que não apresenta problemas, que prejudiquem a categoria como um todo.

A assessoria jurídica da entidade entrou com pedido de avaliação do caso na Justiça, que deu prazo de dez dias para que o governo se pronuncie sobre o tema. A ação é voltada para os setores que ainda enfrentam problemas ligados à reposição de horas.

AUXÍLIO-CRECHE

O Previ-Rio paga hoje o sétimo lote do auxílio-creche. O depósito vai beneficiar 3.860 filhos de servidores estatutários da prefeitura. O benefício é de R$ 250 mensais e é destinado para servidores que receberam até R$ 2.034, em dezembro de 2013, e que têm dependentes de até seis anos estudando em creches particulares.

MEDICAMENTOS

O instituto deposita hoje também mais um lote do auxílio-medicamento para servidores da prefeitura de renda mais baixa e portadores de doenças graves. O lote, no valor individual de R$ 200, beneficia mais 301 servidores e se destina a ajudar no custeio de remédios especiais, não fornecidos pela rede pública.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia