Beleza traz recursos ao Rio

Segundo mercado do país, estado terá investimentos de R$ 800 milhões e mais 1,5 mil empregos

Por O Dia

Rio - Atraídas pelo mercado consumidor fluminense, o segundo maior do país, de acordo com institutos de pesquisas e associações do setor, grandes empresas do ramo de cosméticos estão vindo ou ampliam negócios no Rio. As companhias investem mais de R$ 800 milhões, pelas contas da Secretaria Estadual de Desenvolvimento. Hoje, o estado reúne mais de 200 empresas do setor, com o maior número das fábricas instaladas na Baixada Fluminense.

A consumidora Thaís Maiatto%2C 35 anos%2C está sempre atenta aos lançamentos e diz gastar pelo menos R%24 150 por mês só em maquiagemAlexandre Vieira / Agência O Dia

A previsão é de que mais 1,5 mil empregos serão criados no estado com a chegada de fabricantes como Apolo, Cless e Mane, além da expansão de outras, como Embelleze, Niely e P&G. As empresas totalizam investimentos de R$621 milhões e são responsáveis por mais de 11% da produção nacional.

As negociações para implantação de novos empreendimentos envolvem incentivos dos decretos 35.418 e 35.419, que definem que as vendas da fábrica para a sua própria distribuidora são diferidas para varejistas dentro do Rio, com imposto reduzido para 13%.

“O Estado do Rio é um importante polo de fabricação de produtos do setor de higiene e cosméticos, além de ser o segundo maior mercado consumidor desses itens no país. Investimentos em pesquisa também crescem nas empresas. A instalação do Centro de Pesquisa da L’Oréal será uma âncora importante para atração de novas indústrias do setor de cosméticos para o estado”, diz a subsecretária estadual de Comércio e Serviços, Dulce Ângela Procópio.

Entre os maiores investimentos o destaque é para a P&G, que desembolsou R$300 milhões em uma fábrica no Município de Seropédica. A iniciativa está em fase final de implantação. Já a L’Oréal injetará R$200 milhões em seu centro de pesquisas.

Para Cesar Tsukuda, diretor superintendente da Beauty Fair, feira de negócios que acontece em setembro em São Paulo, o mercado brasileiro se destaca por ter produção local forte.

“Temos empresas como a Niely, brasileira e líder de vendas em coloração, segundo dados da Nielsen, à frente de multinacionais. Mesmo este ano, que está sendo difícil para a indústria como um todo, o setor vai crescer entre 6% e 8% no país. Parece pouco, já que ficamos por dez anos seguidos crescendo a dois dígitos, mas é um volume importante. As fabricantes continuam investindo. E o Rio é um estado muito forte na indústria da beleza,” destaca ele.

Tsukuda adianta que, durante a feira de negócios, 50 novas marcas estarão presentes, em busca de prospecção no mercado brasileiro.

“São empresas de países como Estados Unidos, Itália, Espanha, França e Polônia, além de companhias locais apresentando novas linhas de produtos”, afirma .

A consumidora Thaís Maiatto, 35 anos, está sempre atenta aos lançamentos. “Gasto R$ 150 por mês em maquiagem, principalmente em novidades”, conta.

Maquiagem é a preferida das cariocas

Uma pesquisa do Instituto Nielsen, feita a pedido dos organizadores da feira Beauty Fair, mostra que as consumidoras de São Paulo são as que mais compram produtos para tratamentos capilares e de produtos para fixação das madeixas. Já as cariocas e as fluminenses se rendem a todas as novidades em maquiagem, enquanto as gaúchas estão mais preocupadas em saber o que há de novo em dermocosméticos. As consumidoras recifenses, por sua vez, investem mais em coloração para cabelos.

Pelo estudo, durante os 20 anos de Plano Real, a cesta de higiene e beleza cresceu três vezes mais no varejo que as de alimentos, bebidas ou limpeza, que aumentam pouco mais de duas vezes. Pós-xampu e esmaltes foram as categorias que mais se destacaram.

“A inovação e o número de lançamentos foram importantes para o crescimento do setor da beleza no país. O que vamos começar a ver agora é um aumento importante na procura por produtos de cuidados com a pele. Este não era ainda um item que fazia parte da cesta das consumidoras de uma forma tão expressiva. Mas, quando percebida pela indústria, ela foi buscar novos produtos para lançar”, avalia Cesar Tsukuda, diretor da Beauty Fair.

Segundo ele, fabricantes como Nívea e Dove preparam mais novidades em produtos para pele, tanto no segmento adulto, quanto infantil.

Últimas de _legado_Economia