Desemprego no Brasil sobe a 5%, mas tem menor nível para agosto, diz IBGE

Região Metropolitana do Rio, com 3%, tem mais baixo índice de desempregados no país

Por O Dia

Brasília - A taxa de desemprego no Brasil em agosto ficou em 5%, a menor registrada no mês desde 2002, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No mesmo período do ano passado, a taxa foi de 5,3%.

No mês passado, a população desocupada — 1,2 milhão de pessoas —, ficou estável nas comparações com julho e com agosto do ano passado. Já o contingente de ocupados — 23,1 milhões — cresceu 0,8% em relação a julho e ficou estável na comparação com agosto de 2013.

Ontem, o Instituto divulgou também as taxas nacionais de julho (4,9%), junho (4,8%) e maio (4,9%), que haviam sido informadas em parte devido à greve dos servidores. A Pesquisa Mensal de Emprego é feita em seis regiões metropolitanas: Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre.
O número de trabalhadores com carteira assinada (11,8 milhões) ficou estável em ambas as comparações. Entre os grupamentos de atividades, na comparação com julho, apenas o ramo da construção teve aumento da população ocupada (5,1%). Os serviços domésticos tiveram queda (-3,9%) e as demais atividades mantiveram-se estáveis. Na comparação com agosto de 2013, os serviços domésticos tiveram queda de 7,2%, as demais atividades não variaram.

TAXA É MENOR NO RIO: 3%

A Região Metropolitana do Rio de Janeiro, com índice de 3%, foi a que apresentou o menor desemprego em agosto entre as seis pesquisadas. O Rio tem a melhor taxa desde junho quando teve 3,2%, passando Porto Alegre, que apresentou taxa de 3,7% de desemprego naquele mês. Em julho, o Rio manteve-se nessa colocação, ao apresentar uma taxa de 3,6%, enquanto Porto Alegre teve um índice de 3,7%.

Em agosto do ano passado, o desemprego no Rio, ficara en 4,5%. As reduções podem ser explicadas principalmente por quedas na população desocupada de 15,8% (na comparação com julho deste ano) e de 34,9% (na comparação com agosto do ano passado).


Últimas de _legado_Economia