Por victor.duarte

Brasília - O governo federal pretende arrecadar nesta terça-feira pelo menos R$ 8,2 bilhões com o leilão de seis licenças de banda larga móvel 4G - que terá a participação da Telefônica, Claro, TIM e Algar Telecom (CTBC) - e alcançar a meta de superavit primário de 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB).

As quatro companhias foram as únicas que formalizaram interesse nas seis concessões que serão oferecidas amanhã e que abrangem o serviço de 4G e o correspondente acesso a internet na frequência de 700 megahertz (MHz). Essa banda é utilizada pelos canais de televisão que ainda operam com sistemas analógicos, mas que serão obrigados a digitalizar as transmissões entre 2016 e 2018.

A utilização plena dessa frequência está prevista para começar a partir de 2019, quando a banda ficará totalmente liberada. Do total de licenças, três concedem direitos para oferecer o serviço em todo o país e outras três apenas em áreas de menor cobertura: uma exclui alguns municípios de Paraná, Minas Gerais, Goiás e São Paulo, e as outras duas se referem a alguns municípios do Centro-Oeste.

Você pode gostar