Por bferreira

Rio - Os servidores federais também têm, agora, mais tempo para pagar empréstimos consignados feitos com bancos credenciados. O governo aumentou o prazo máximo para quitação de contratos de créditos com desconto em folha de 60 meses (cinco anos) para 96 meses (oito anos). 

Apesar da extensão do prazo de pagamento, a taxa máxima de juros das operações de crédito não foi alterada. Ela continua limitada em 2,5% ao mês. A modificação entrou em vigor ontem com a publicação do Decreto 8.321 no Diário Oficial da União.

De acordo com o Ministério do Planejamento, o novo patamar de parcelas para quitação pode ser aplicado em todas as operações de crédito pessoal assumidas pelos servidores.

O ministério considera que a medida representará ganho para o funcionalismo, “que terá a opção de empréstimos mais longos, mas pela mesma taxa de juros.” No entanto, o professor de finanças do Ibmec, Gilberto Braga, alerta que a iniciativa tende a estimular o endividamento. “O servidor reduzirá a prestação e terá a sensação de que o orçamento ficou mais folgado e pode consumir mais. Sem contar que pagará juros por muito mais tempo”, explica.

Você pode gostar