Por felipe.martins

Rio - As ações de combate a fraudes e para recuperar recursos desviados do INSS no Rio continuam apresentando resultados. O caso mais recente foi o de uma segurada que recebeu aposentaria por tempo de contribuição irregularmente entre os anos de 2007 e 2011. Após o Sistema de Monitoramento Operacional de Benefícios (MOB) do instituto detectar o problema em 2010, ela foi obrigada a devolver os valores recebidos indevidamente. A aposentada optou por quitar a dívida de R$110.965,63 de uma única vez. Em agosto, a segurada recolheu os valores aos cofres públicos, por meio de guia de recolhimento. O pagamento foi feito no dia 14.

“Em 2010, detectamos que dados falsos foram inseridos no sistema para forjar vínculo com empresas no passado. Ela foi chamada para apresentar defesa e disse que teria sido vítima de estelionatário, o que não foi comprovado. O benefício foi suspenso em 2011 e ela optou por pagar a dívida de uma vez só”, explica Juliana Mack, gerente da agência Cosme Velho, da Previdência Social, mantenedora da aposentadoria fraudada.
Mas é possível também fazer o ressarcimento de forma parcelada por meio de guia previdenciária ou via desconto mensal no benefício, caso quem recebeu seja segurado do INSS. A procuradoria do instituto agora vai encaminhar o caso da fraudadora ao Ministério Público Federal que decidirá se vai acioná-la judicialmente.

O gerente-executivo da Gerência Centro do INSS, Flávio Souza, explica como funciona o monitoramente online: “O sistema é capaz de perceber a tentativa de fraude quando há inserção de dados e logo em seguida é feito pedido de agendamento. Quando isso ocorre, somos alertados para o risco de possíveis irregularidades.”

O monitoramente também é feito mediante pedido dos órgãos de controle, como o Tribunal de Contas da União (TCU) e a Controladoria Geral da União (CGU). Atualmente, o principal problema detectado pelo INSS em benefícios irregulares é o chamado pagamento pós-óbito, quando o segurado morre e a informação não é repassada por cartórios ou familiares à Previdência Social.

DÍVIDAS DE BANCOS 1
SAQUES INDEVIDOS

Pagamentos de benefício efetuados indevidamente por bancos pagadores também resultam em cobranças por parte do INSS. A coluna teve acesso a um levantamento feito entre as sete gerências-executivas do estado. A Centro tem 6.624 processos, com valor cobrado de R$ 812 milhões e total recuperado de R$904,7 mil. A gerência Duque de Caxias tem 1.720 processos que geram cobranças de R$60,6 milhões. Foram recuperados até agora R$170,2 mil.

DÍVIDAS DE BANCOS 2
OUTRAS GERÊNCIAS

Volta Redonda tem 728 processos, que representam R$47,9 milhões. O total recuperado é de R$403,7 mil. Já Campos mantém 183 processos, com valor cobrado de R$556,3 mil. Foram devolvidos R$1.610. Em Niterói são 1.478 processos. O valor cobrado é de R$91,1 milhões e ressarcidos R$ 1,19 milhão. Petrópolis possui 643 pendências e tem a receber R$10,6 milhões, sendo que R$ 114,5 mil foram recuperados. A gerência Norte tem 711 processos que equivalem a R$ 7,5 milhões. Foram recuperados R$ 117,82 mil.

Você pode gostar