Por tamara.coimbra

São Paulo - Ações de empresas com participação estatal dispararam após a abertura da bolsa nesta segunda-feira, em meio à repercussão do desempenho do candidato do PSDB, Aécio Neves, no primeiro turno da eleição presidencial, realizada neste domingo. Em uma arrancada final, o tucano garantiu uma vaga no segundo turno com muito mais facilidade do que apontavam as últimas pesquisas e ainda se aproximou da primeira colocada, a presidenta Dilma Rousseff (PT), como em nenhum momento da campanha.

Às 10h30, o Ibovespa avançava 6,99%, a 58.352 pontos.

Operadores e analistas têm manifestado insatisfação com as diretrizes econômicas do atual governo e perspectivas de alternância em Brasília têm servido como argumento para compras na bolsa nos últimos meses. Nesta segunda-feira, as preferenciais da Petrobras avançavam 14,4%, enquanto o Banco do Brasil tinha alta de 15,3%. Já as ações PNB da Eletrobras tinham acréscimo de 11,2%.

Também sensíveis ao cenário eleitoral, as ações do Itaú Unibanco saltavam 11,1% e as do Bradesco ganhavam 11,7%, enquanto Cosan apurava elevação de 10,5%.

Dolár a R$ 2,38

O dólar caiu cerca de 3% ante o real nesta segunda-feira, chegando ao patamar de R$ 2,38 na mínima do dia, após o resultado do primeiro turno das eleições. Às 9h54, a moeda norte-americana recuava 2,92%, a R$ 2,39 na venda, após alcançar R$ 2,37 na mínima da sessão, com queda de 3,40%. O contrato futuro do dólar para novembro caía 2,70%, a R$ 2,41.

"O mercado está eufórico com a possibilidade de um segundo turno mais disputado", disse o operador de câmbio da corretora B&T Marcos Trabbold.

Você pode gostar