Teste mede vocação do consumidor para dívidas

Pesquisa mostra que 4 em cada 10 entrevistados admitem que falta de controle provocou atraso de contas

Por O Dia

Rio - O consumo sem planejamento é um dos principais motivos da inadimplência no país. É o que revela pesquisa recente feita pelo SPC Brasil. E para ajudar os consumidores a identificarem se são pessoas potencialmente endividadas, foi criado teste na internet, em www.meubolsofeliz.com.br, que avalia como o cliente lida com o orçamento e faz para pagar dívidas.

Com as vendas enfraquecendo%2C o comerciante Jair Rogério diminuiu o estoque de mercadorias e evitou empréstimos para não se endividarEstefan Radovicz / Agência O Dia

De acordo com o levantamento, quatro em cada dez entrevistados (40%) admitem que a falta de controle financeiro foi o que os levou a atrasar pagamentos. O comerciante Jair Rogerio, 52 anos, agiu ao ver que iria se endividar. “As vendas caíram e eu não teria dinheiro para pagar as contas. Então reduzi o estoque e evitei empréstimos”, afirma.

O objetivo do teste é fazer o indivíduo medir e perceber o potencial de endividamento e de inadimplência, considerando informações como o rendimento mensal e o que gasta com o estilo de vida.

“Com base nas respostas, orientamos o internauta a mudar sua maneira de ver o consumo e de lidar com as compras”, explica o educador financeiro José Vignoli, do portal Meu Bolso Feliz, iniciativa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), que desenvolveu o teste em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

O ato de comprar, explica Vignoli, pode provocar uma sensação de bem-estar, euforia e de relaxamento. Esses motivos induzem os consumidores a agir por impulso em busca de recompensa e prazer imediatos.

“Além disso, o bombardeio publicitário e as facilidades do parcelamento dão a impressão de que essas compras não vão abalar o próprio orçamento”, explica o educador financeiro.

O teste divide os consumidores em três categorias distintas: de baixo, médio e alto potencial devedor. Os indivíduos com baixo potencial de inadimplência são, em geral, mais prudentes e analíticos. Já aqueles com grau médio de fazer dívidas são os que, embora entendam a importância de se organizar financeiramente, às vezes não resistem e fazem compras mesmo sem ter as condições de arcar com o valor da despesa.

E, finalmente, no caso do consumidor com alto potencial de endividamento, a pessoa tende a ser imediatista e costuma achar que pequenas aquisições para satisfazer desejos momentâneos não vão comprometer o orçamento pessoal e da família no fim do mês.

Para fazer o teste, acompanhe o questionário abaixo.

VOCÊ SABE COMO LIDAR COM AS DÍVIDAS? FAÇA O QUESTIONÁRIO

Para cada pergunta responda: ‘Tudo a ver’, ‘Um pouco a ver’ ou ‘Nada a ver’.

1 - Faço um planejamento financeiro e sei exatamente o quanto tenho para gastar todo mês.

2 - Preocupo-me com dia de amanhã, por isso tudo que compro é muito bem pensado.

3- Eu sempre me planejo antes de fazer alguma compra.

4 - Eu prefiro pagar minhas compras à vista.

5 - Tenho objetivos e poupo para alcançá-los.

6 - Honrar meus compromissos financeiros vem sempre em primeiro lugar.
7 - Dever me tira o sono.

8 - Minhas finanças são extremamente organizadas.

9 - Uso pouco o cartão de crédito e sempre pago o valor total da fatura no fim do mês.

10- Sempre guardo parte do meu salário para imprevistos.

11- Quando quero muito algo, compro mesmo sabendo que me endividarei.

12 - Sempre parcelo minhas compras, inclusive valores baixos.

13 - Quero aproveitar o presente, no futuro eu penso amanhã.

14 - Já deixei de pagar uma conta para comprar algo que queria muito.

15 - Quando saio com amigos, perco a noção do que poderia gastar e extrapolo meu orçamento.
16- Vejo o limite do cheque especial como parte da minha conta, uso todo mês.

17- Não tenho noção de quanto ganho exatamente.

18- Não sei o quanto pago de contas fixas por mês.

19 - Se perder minha fonte de renda, não consigo me sustentar por mais de três meses.

20 - Nos últimos três meses atrasei algumas contas e deixei de pagar uma delas.

21- Com frequência fecho as contas mensais no vermelho.

POTENCIAL DE ENDIVIDAMENTO (DIAGNÓSTICO):

BAIXO
Maioria das respostas ‘Tudo a ver' para perguntas de 1 a 10; e respostas 'Nada a ver' para perguntas de 11 a 21

Você tem o perfil mais prudente e analítico, pensando sempre nas consequências de seus gastos antes de fazê-los. Para você, mais vale uma vida sem dívidas do que este ou aquele item da moda. Evita problemas tendo consciência do seus gastos, e vive de acordo com o que pode ter!

Mantenha essa atitude! Agindo dessa forma, construirá um futuro sem dívidas e dor de cabeça.

MÉDIO
Maioria das respostas ‘Um pouco a ver' para todas as perguntas.

Você até tenta poupar para possíveis imprevistos, mas vira e mexe não resiste a alguns apelos da mídia ou das pessoas do seu círculo de convivência e acaba gastando mais do que deveria. Entende a importância de se organizar financeiramente, mas muitas vezes não consegue colocar suas intenções em prática, pois, no fim, prioriza o presente. Com isso, todo o mês você tem prestações a pagar e com isso quase nunca sobra dinheiro no fim do mês.

Questione se alguns gastos compensam apertos futuros com dívidas. Trace objetivos que lhe trarão boas conquistas— fazer uma bela viagem, por exemplo — e use essas metas como incentivo para poupar. Você verá que a vida sem preocupações financeiras é muito mais tranquila. Uma boa dica é sempre responda à pergunta: Antes da compra, considera a sua necessidade ou apenas sua satisfação momentânea?

ALTO
Maioria das respostas 'Nada a ver' para perguntas de 1 a 10; e respostas 'Tudo a ver' para 11 a 21.

Tem dificuldades em lidar com o seu orçamento e o pagamento das suas dívidas, por isso, gasta mais do que deve ou quita faturas em atraso. E isso acontece porque você acredita que sempre vai dar um jeito de conseguir pagar as contas no fim do mês. Imediatista, prefere satisfazer seus desejos hoje em vez de poupar para o amanhã.

Procure meios de organizar as finanças. Faça um levantamento das contas fixas e guarde a quantia relativa às despesas assim que receber o salário. Liste todos os seus gastos extras e tente eliminar os supérfluos. Procure equilibrar o desejo e a real necessidade na hora das compras. Dessa maneira terá mais chances de conseguir guardar parte do que ganha e evitar dívidas.

Inadimplência fecha mês com a menor alta do ano

O número de consumidores brasileiros com dívidas em atraso desacelerou em setembro. O indicador, que em agosto subiu 5,09%, agora registra alta menos intensa de 3,84% em relação a setembro do ano passado. Este é o menor avanço apurado desde o começo de 2014, de acordo com o índice mensal de inadimplência do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

Ainda assim, ponderam os economistas, a alta foi mais forte do que a registrada em setembro de 2013, quando o crescimento foi de 2,89%. As duas entidades também estimam que ao fim do mês passado havia aproximadamente 54 milhões de CPFs de adultos registrados em serviços de proteção ao crédito no país.

O recuo da inadimplência na base anual também teve reflexos na comparação mensal: o número de consumidores com dívidas em atraso caiu 1,14% entre agosto e setembro deste ano. Esta queda mensal, de acordo com o SPC Brasil, representa a retração mais intensa para os meses de setembro desde o começo da série histórica no país.

Conforme os economistas do SPC, a queda do índice em setembro provavelmente está relacionada à promoção de feirões para negociar dívidas, que ocorrem tradicionalmente neste período, e ao pagamento do 13º salário de aposentados e pensionistas do INSS, que é feito entre o fim de agosto e o começo do mês passado.

“Os fatores em conjunto podem ter ajudado os consumidores a regularizar compromissos para chegar às festas de final de ano livres de compromissos pendentes”, explica a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

Em anos anteriores, os índices também mostraram desaceleração no final do terceiro trimestre.

Últimas de _legado_Economia