Mercado da moda sai em defesa da produção local

Profissionais e estudantes do setor se reúnem em evento que vai discutir novas formas de incentivar o consumidor a comprar as marcas brasileiras

Por O Dia

Rio - Grandes nomes do mercado da moda nacional se reúnem na próxima quinta-feira em um bate-papo sobre o movimento “Feito no Brasil”. O objetivo é discutir sobre a produção do setor no país e pensar em formas de incentivar o consumo das marcas brasileiras, num momento em que os sites asiáticos e as grandes redes estrangeiras de fast fashion ganham cada vez mais força entre os consumidores.
Idealizadora do evento, Renata Abranchs conta que os palestrantes foram escolhidos por serem militantes da causa e conseguirem viabilizar a produção praticamente 100% nacional de uma forma limpa, ética e sustentável. “Essas pessoas fazem um trabalho inspirador no mundo da moda”, explica a consultora de estilo.

O movimento começou com a criação da hashtag #feitonoBrasil, há seis meses. “Agora, chamamos as pessoas para o debate acerca deste assunto e o próximo passo é fazer campanhas trazendo formadores de opinião para abraçar esta causa. Queremos levar para os consumidores a reflexão sobre a importância de consumir um produto feito no país e resgatar o orgulho do que é nosso”, conta Renata.

A consultora de estilo Renata Abranchs defende o movimento que incentiva o consumo da moda nacional Divulgação

Questões como a dificuldade para a produção nacional, a alta carga tributária e os índices de empregabilidade serão debatidos. Assim como a diferenciação das peças brasileiras e a importância de um design exclusivo.

A mesa de debates vai contar com a presença de Luis Fernando Pimentel, diretor-superintendente da Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção); François Morillion, dono da marca de tênis Vert; Renata Joca, gerente de estilo da grife Maria Filó; e Liliane Taira, diretora de arte da marca de roupas femininas Mocha.

País ganha na relação custo/benefício

Para Renata Abranchs, parte do papel representado pelo movimento “Feito no Brasil” passa pela conscientização dos consumidores de que é mais vantajoso comprar as peças produzidas no país, no lugar das importadas. “Em vez de comprar três roupas mais ou menos em um site chinês, por exemplo, por que não comprar uma boa de marca nacional, que tem mais qualidade, mais design e mais bossa?”, questiona.
Segundo ela, o mercado nacional não se resume às grandes marcas. “Há um segmento popular grande, que emprega muita gente. Vai desde pequenas confecções a lojas como Leader e Mercatto”, diz.


Encontro vai antecipar a moda do próximo verão

O encontro vai contar também com palestras sobre as tendências que estarão presentes nas coleções da temporada de Verão 2015/2016. No evento, serão apresentadas ideias de tecidos, estampas, cores e demais apostas para os próximos anos.

“A tendência dessa próxima coleção de verão é o zen tropical. São peças muito inspiradas na Índia, no orientalismo, na meditação, na ioga. Tecidos fluidos, leves e naturais estarão presentes”, afirma a consultora Renata Abranchs.

Segundo ela, o Brasil já exporta tendências para o exterior. “Muita gente vem aqui fazer pesquisa, então temos que valorizar o que é nosso”, avalia.
O encontro acontece na próxima quinta-feira, no Espaço Itaú de Cinema, em Botafogo. Mais informações por meio do site renataabranchs.com.br.


Últimas de _legado_Economia