Por bferreira

Rio - É necessário reconhecer que a reeleição de Dilma Rousseff foi uma grande vitória política, mas ao mesmo tempo, a pequena diferença de votos para o derrotado Aécio Neves, foi um duro recado da sociedade para o governo. A divisão do mapa do Brasil, basicamente entre Norte e Sul, mostra que o medo de perder os benefícios sociais venceu os sentimentos de mudança e moralidade aclamados por muitos.

Por isso, o grande desafio de Dilma Rousseff para o segundo mandato será o de manter as políticas de transferências de renda e o baixo desemprego sem continuar sacrificando a inflação dos preços e o equilíbrio das contas públicas. Dilma recebeu um país em seu primeiro mandato crescendo a 7% e termina com um PIB que não vai chegar nem a 0,5% ao ano. O IPCA (inflação oficial) que estava dentro do centro da meta (4,5%) fecha ao redor do teto anual (6,5%). No meio dessa problemática toda e sucessivos escândalos com o dinheiro público, não dá para só culpar a crise internacional ou insistir na tese de que o resultado das urnas foi uma aprovação da política econômica, como disse Mantega. O país demanda do governo um choque de gestão e competência, diminuindo o loteamento político dos cargos públicos e recuperando a confiança de grande parte dos brasileiros de maior renda que acaba pagando a conta e que, em maioria, votou na oposição ao atual governo.

Um novo mandato com vistas à pacificação da nação não pode esperar até o dia primeiro de janeiro de 2015, na verdade, ele já começou. A presidenta Dilma acertou no discurso de domingo ao pregar a união do país, mesmo dos que democraticamente pensam diferente. A tarefa deve se iniciar pela economia. O Brasil não pode queimar dois meses até a nova posse enquanto a situação geral das finanças públicas se deteriora.
Escolher e anunciar logo a nova equipe econômica, a ser formada por nomes de respeito, é o primeiro passo. Já é hora de conferir se o mandato novo veio com ideias novas na área econômica, como preconizou a campanha.

Professor de Finanças do Ibmec e da Fundação Dom Cabral

Você pode gostar