Sucesso na carreira: O que devo falar ao meu chefe?

O ideal é ser franco, mas a decisão de comunicar ou não ao chefe vai depender do grau de confiança que ele inspira

Por O Dia

Rio - O mercado de trabalho é dinâmico. Por isso, enquanto alguns profissionais tentam novos desafios para desenvolver competências, outros correm atrás de melhores salários ou da carreira dos sonhos. Mas como seria avaliar o mercado sem ser antiético ou infringir regras de etiqueta com o atual empregador?

O chefe deve ser informado da participação em processos seletivos em outras empresas, mesmo se o profissional correr o risco de represálias? Ou é melhor manter o segredo, mesmo com a possibilidade da verdade sobre o assunto vir à tona?

O ideal é ser franco, mas a decisão de comunicar ou não ao chefe vai depender do grau de confiança que ele inspira.

Veja alguns cuidados na hora de buscar oportunidades no mercado de trabalho.

Por Janaina Ferreira

PERGUNTA E RESPOSTA

“Estou procurando outro emprego sem ninguém da minha empresa saber. É errado eu agir assim?”

Luan, Glória

Olá, Luan. Mudar de empresa faz parte da trajetória profissional. Entretanto, alguns chefes se sentem “donos” do funcionário e não costumam reagir bem quando o subordinado pensa em mudar de empresa. Portanto, é preciso ser discreto e ético para não prejudicar a própria imagem perante o mercado de trabalho.

E isso começa por não enviar currículos ou fazer contatos para entrevistas usando qualquer recurso da atual empresa. O correto é usar o e-mail pessoal, o próprio celular, fazer contatos e marcar entrevistas fora do horário de expediente. O bom entrevistador entenderá o motivo da sua atitude.

Vale lembrar que muitas empresas monitoram as contas de e-mail dos funcionários. Tenha certeza da seriedade e do método de trabalho antes de enviar o currículo para agências de empregos. Ao responder aos anúncios de vagas não identificadas, existem casos onde o candidato envia o currículo ao seu atual empregador. E isso pode até terminar em demissão.

A postura ideal do profissional é ser transparente, conversar sobre os planos de crescimento na carreira com o gestor, pedir orientações e sinalizar caso pretenda mudar de empresa.

Assim, o chefe toma conhecimento das ambições do funcionário e tem oportunidade de se posicionar quanto a poder ou não atendê-las. Mas, se a chefia não abre espaço para uma conversa franca, resta construir a carreira sozinho.

Ou seja, precisa existir a certeza de que não ocorrerão represálias, pois buscar melhores oportunidades no mercado de trabalho é um direito do trabalhador. A franqueza é uma via de mão dupla e, se o gestor não a tem para com o funcionário, este naturalmente se desobriga de tê-la.

Caso consiga um novo emprego, agradeça ao chefe e aos colegas pela oportunidade de trabalharem juntos, e siga em frente na construção da sua carreira de sucesso.

Boa sorte!

Janaina Ferreira é professora do Ibmec-RJ. Amanhã, Sucesso nas Finanças.

Últimas de _legado_Economia