Por felipe.martins

Rio - Uma pesquisa da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) sobre os juros cobrados do brasileiro comprova o que boa parte das pessoas já desconfiava: as taxas praticadas na economia são as maiores dos últimos 15 anos. Os dados da pesquisa são de dezembro de 2014 e mostram que os vilões são o cartão de crédito e o cheque especial.

Na primeira modalidade, a média dos juros fica em 11,22% ao mês (258,25% ao ano). Já no cheque especial, cobra-se 8,92% ao mês, em média, o que corresponde a 178,80% ao ano. Parte deste aumento pode ser explicado pelo ciclo de aumentos da Selic, a taxa básica da economia, que fechou o ano passado em 11,75% ao ano.

Para se ter ideia da voracidade dos juros no país, uma pessoa que fizesse dívida hipotética de R$ 279,33 no dia 1º de janeiro de 2014 no cartão de crédito deveria em 31 de dezembro, caso não tivesse feito nenhuma amortização, R$ 1 mil. Outro exemplo seria o correntista bancário que ficasse o ano inteiro pendurado no limite de R$ 1 mil do especial, a sua dívida teria saltado para R$ 1.788.

Pensando de forma mais concreta, uma pessoa consumista que comprasse ótimas roupas na liquidação de um shopping center, gastando R$ 1 mil no cartão de crédito, pagando 20% obrigatório da fatura todo mês e empurrando para frente o saldo devedor (incidindo juros), teria, depois de um ano, pago o montante de R$1.367,58 e ainda estaria devendo R$ 246,19.Por essas e outras é que a dica é sempre quitar integralmente a fatura do cartão no dia do vencimento.

O cartão de crédito, mais conhecido como dinheiro de plástico, é um conforto, porque você gasta sem pedir, no que quiser e quando quiser, sem ter ninguém para te regular. O problema é que a conta chega e se consumidor não for organizado, vai acabar se enrolando todo com as dívidas e os juros cobrados. Mesmo com toda a ginástica financeira, cobrindo dívida com outra, vendendo férias, pedindo dinheiro emprestado para os mais próximos, um dia a bola de neve vira uma avalanche.

Como se tem alertado, em 2015 os juros devem subir ainda mais. Por isso, não faça loucuras com o seu crédito cartão de crédito e cheque especial, controle tudo e planeje os seus gastos.

Gilberto Braga é professor de Finanças do Ibmec e da Fundação Dom Cabral.

Você pode gostar