Força Militar: Recadastramento gera dúvidas

Está em andamento o recadastramento de cerca de 3.800 “pensionadas” (pessoas que recebem pensão judicial, alimentícia em virtude de separação judicial)

Por O Dia

Rio - Está em andamento o recadastramento de cerca de 3.800 “pensionadas” (pessoas que recebem pensão judicial, alimentícia em virtude de separação judicial) das quais o Exército Brasileiro não possuía registro de CPF em virtude de decisões judiciais.

A instituição militar informa que 18% deste total, ou seja, 684 pensionadas ainda estão com suas pensões suspensas por não terem regularizado a situação. Segundo o Centro de Comunicação Social do Exército, o CPF não era necessário para o pagamento, entretanto, passou a ser obrigatório por decisão do Banco Central (Resoluções 3.402 e 3.424). Vale observar que não são pensionistas militares e sim “pensionadas”.

De acordo com o Exército, algumas “pensionadas” não estão recebendo o benefício por que o depósito não pode ser mais feito em conta poupança. <CW15>As pessoas precisam informar uma conta corrente para que o dinheiro seja depositado por meio de ordem bancária. Outros casos de suspensão de pensão são de pensionadas, que recebem valores destinados a seus filhos, com CPF incorreto no cadastro. As datas de pagamento foram mantidas pelo Exército no segundo dia útil do mês.

ORDEM CRONOLÓGICA

O Exército informa que os pagamentos estão sendo feitos de acordo com a ordem cronológica em que as informações corretas foram apresentadas à 1ª Região Militar. Por isso, as datas diferentes de depósitos. Boa parte dos valores dessas pensões está em processamento nos bancos indicados pelas “pensionadas”.

FORA DO RIO DE JANEIRO

Parte das pensões são processadas por outras organizações militares fora do Estado, onde se deu a decisão judicial que as ampara e onde os militares, que pagam a referida pensão judicial residem. Mais informações nos site da 1ª Região Militar (www.1rm.eb.mil.br) e do Centro de Pagamento do Exército (www.cpex.eb.mil.br).

HÁ 16 DIAS SEM RECEBER

A leitora Anabela Puchalski, 50 anos, estranhou a resposta do Exército, já que ela não é “pensionada” e mesmo assim está com sua pensão em atraso. Diz também que sua conta nunca foi poupança e seu CPF sempre esteve correto no cadastro da instituição. A pensionista deveria ter recebido o benefício no dia 2 deste mês.

EMPRÉSTIMO

A pensionista Anabela diz que em dezembro a pensão atrasou 28 dias. Segundo ela, igual situação vive sua mãe. “É a segunda vez que estou pedindo empréstimo para quitar as minhas contas que vencem no início do mês. Já fui pelo menos quatro vezes ao Palácio Duque de Caxias e ninguém resolve”, reclama.

Últimas de _legado_Economia