Gilberto Braga: O bolso também sofre com a falta de água

O fim dessa história já se conhece, quem paga toda a conta é a população

Por O Dia

Rio - Um copo de água não se nega a ninguém. Cresci ouvindo isso. Mas, hoje, com a crise, diria que não se nega um copo de água, mas se cobra e bem caro por ele. Lembrando dos tempos de outrora, recordo de uma rede de supermercado, cujo slogan era: “água gelada e cafezinho grátis.” Isso praticamente não existe mais. Se quiser, vai pagar uns R$ 5 em lojinha de conveniência na entrada do estabelecimento.

A situação está tão crítica, que a crise afetou até o desfile das escolas de samba. A Viradouro, que usaria um abre-alas com 60 mil litros d’água, vai mudar o carro alegórico. O problema é que a crise não se manifesta apenas com a torneira seca dentro de casa e com a conta mais cara no fim mês.

Ela afeta a economia como um todo e pode mexer ainda mais com bolso das pessoas. Com a falta de chuvas, a agricultura desanda, porque o ciclo de cultivo dos produtos não é completo. Parte do que é plantado se perde e muito do que se colhe fica desmilinguido e vai chegar bem mais caro na mesa do trabalhador.

Para quem presta serviços, a falta de água é como um insumo que não pode ser substituído. Já há salão de beleza fechando e posto de combustível que desistiu de lavar veículos. Na indústria é igual. O líquido é matéria-prima para produção, que se mistura a outros itens formatando um produto final.

Se faltar água não tem atividade e haverá desemprego. Se tiver água, ela será mais cara e o setor vai repassar o aumento dos custos para o preço do produto. O fim dessa história você já conhece, quem paga toda a conta é a população, numa época de economia fraca, juros elevadíssimos e inflação nas alturas. Parte disso é devido às mudanças climáticas, ocasionadas pela irresponsabilidade do ser humano com a natureza, e a outra parte é devido à falta de obras e de incompetência do poder público na gestão do setor. A crise é grave, mas como diz a marchinha: “Ó abre-alas, que eu quero passar”.

Últimas de _legado_Economia