Por felipe.martins

Rio - O novo presidente da Petrobras, Aldemir Bendine, garantiu ontem que assumirá a direção da estatal com total autonomia de gestão em relação ao governo. Em entrevista ao Jornal Nacional da TV Globo, o executivo que entrar no lugar de Graça Foster, afirmou que por já ter comandado uma empresa de economia mista — o Banco do Brasil — não terá problemas de lidar com essa situação.

“Em todo tempo que estive na presidência do Banco do Brasil, sempre tive autonomia”, afirmou. Bendine rechaçou a ideia de que ele não teria experiência de enfrentar a concorrência por ter vindo de outra empresa estatal. “Pelo contrário, o Banco do Brasil atua em um mercado em que há bastante competição”, respondeu referindo-se ao mercado financeiro do país.

Ele reforçou que manterá a política da Petrobras para os preços dos combustíveis, o que pode manter os preços altos mesmo se a cotação do petróleo no mercado internacional registre queda.

BELCHIOR NA CAIXA

A ex-ministra do Planejamento, Miriam Belchior, foi nomeada ontem como a nova presidenta da Caixa Econômica Federal. Ela tomará posse no dia 23 de fevereiro, no lugar de Jorge Hereda, que ficou à frente do banco por quatro anos. Uma das missões da nova presidenta será preparar o banco para abertura de capital, ideia levantada por Dilma no fim de 2014, mas que ela própria disse que será um “processo demorado”. A Caixa é o maior financiador habitacional do país, com cerca de 70% do mercado.

Você pode gostar