Por bferreira

Rio - Cuidar da área financeira pessoal está ficando cada vez mais fácil, pois a internet nos tem possibilitado acessar de maneira muito simples, os recursos tecnológicos para tal. É importante estimular os filhos a adotar uma conduta de controle financeiro já na juventude para adquirir hábitos saudáveis economicamente.

Em outros países a prática já vem sendo trabalhada e no Brasil também começou a ser difundida a educação financeira para jovens com bons resultados.

Dessa forma é recomendável incentivar os filhos a usar a web com esse propósito. Exemplos desses recursos/sites seriam: Turma da Bolsa, da Bovespa, e Brincando na Rede, do Santander. O Bradesco também mantem em seu portal uma seção voltada para educação financeira com foco nos jovens.

Por Jair Abreu Júnior

PERGUNTA E RESPOSTA

“Dei um cartão de crédito para a minha filha, mas ela sempre estoura o limite. Evito colocar um valor muito baixo, porque o cartão pode ser necessário em emergências. Como faço para controlar os gastos dela sem diminuir o limite? ”

Emerson, Laranjeiras

Emerson, o povo brasileiro apresenta o comportamento de risco mais elevado no que diz respeito ao uso de cartões de crédito e de débito, entre os maiores mercados das Américas, de acordo com pesquisa feita pela provedora de soluções de segurança em pagamentos ACI Worldwide, em 20 países.

A educação financeira não significa, simplesmente, ensinar sua filha a economizar, mas também, ter a noção correta de como usar da melhor forma o cartão de crédito/o dinheiro, visando obter mais qualidade de vida no futuro. Quando as pessoas têm as finanças em ordem, enfrentam com mais facilidades as adversidades, e isso ajuda não só a vida financeira, mas também a familiar.

Ao ensinar uma jovem desde cedo a lidar com o dinheiro, espera-se que na fase adulta, a mesma tenha maiores chances de aprender a administrar o seu salário e sua vida. Além disso, deve saber economizar dinheiro para comprar e/ou poupar mais . Nos países mais desenvolvidos, a educação financeira dos jovens cabe às famílias.

As escolas têm a função de dar um reforço nessa formação. No Brasil, ainda há muito que fazer nesse aspecto, pois o ensino sobre a administração dos recursos financeiros não está presente, como poderia, nem no núcleo familiar, tampouco nas escolas. Uma das razões é pelo fato de nosso país ter passado por diversas mudanças de moeda, ao longo dos anos.

A instabilidade econômica fez parte da vida do brasileiro e muitos ainda estão afetados por esse período. Em época de economia difícil, como a que vivemos hoje, não é tarefa fácil elaborar um planejamento financeiro pessoal. Nesse sentido, recomendo muita conversa com sua filha. Seria adequado envolve-la na gestão das faturas do cartão de crédito, para que ela saiba o que vem acontecendo com a respectiva movimentação financeira. Boa sorte!

Jair Abreu Júnior é coordenador em Gestão Financeira da Universidade Estácio de Sá

Você pode gostar