Por tamara.coimbra

São Paulo - As vendas de imóveis novos em São Paulo caíram 35% em 2014, no pior desempenho do principal mercado imobilário do Brasil em uma década. Foram comercializadas 21,6 mil unidades, o menor volume desde 2004, quando começa a série histórica da pesquisa.

As construtoras diminuíram o ritmo de produção, mas ainda assim lançaram 10,1 mil unidades a mais do que venderam — a diferença é recorde. Com isso, o estoque de imóveis disponíves na capital paulista aumentou.

Os dados foram divulgados nesta quarta-feira pelo Secovi-SP, o sindicato do mercado imobiliário de São Paulo. A queda da confiança do consumidor, o pior desempenho da economia, além da ocorrência da Copa do Mundo e das eleições contribuíram para a queda nas vendas, avalia a entidade.

Além de produzirem menos, as construtoras subiram relativamente pouco o preço médio dos imóveis. O m² saiu por volta de R$ 9,3 mil, cerca de 7% a mais que em 2013. A alta é a menor desde 2009 e significa um aumento real (acima da inflação do setor) de 0,4%.

O valor total arrecadado com as vendas de imóveis novos em 2014 foi o menor desde o início da pesquisa. Os R$ 11,9 bilhões do ano passado representam uma queda de 42% em relação aos R$ 20,5 bilhões de 2013 — recorde da série histórica.

Um dormitório responde por um terço do mercado

Principal aposta das construtoras nos últimos anos, os imóveis de um dormitório representaram 1/3 dos lançamentos (34%) e 28% das vendas em 2014, atingindo as maiores fatias desde 2004. Os tradicionais dois dormitórios, entretanto, continuaram a dominar o mercado imobiliário: foram 40% das unidades lançadas e 46% das comercializadas (acima, nesse último caso, da média histórica de 40%).

O Secovi-SP espera que os lançamentos continuem a cair em 2015 — cerca de 10%, nas estimativas —, parte da estratégia das construtoras para evitar a continuidade do aumento de estoques. Já as vendas podem seguir em queda ou voltar a subir.

Região Metropolitana tem desempenho melhor

Nos outros 38 municípios da Região Metropolitana de São Paulo, o mercado imobiliário teve um ano melhor no conjunto. Foram vendidas mais unidades do que lançadas (197 mil ante 19,2 mil), o que fez com que a oferta caísse. Em média, um imóvel na Região Metropolitana custou R$ 365 mil, cerca de 1/3 (33,7%) a menos que o preço da capital, onde a unidade nova saiu por R$ 551 mil.

Você pode gostar