Por bferreira

Rio - Ser brasileiro nato, do sexo masculino, ter mais de 18 anos e menos de 21 anos em 1º de janeiro de 2016 e ter concluído o Ensino Fundamental. Este é o perfil aceito pela Marinha do Brasil para se candidatar ao concurso público de admissão ao Curso de Formação de Soldado do Corpo de Fuzileiros Navais que oferece 1.860 vagas. A taxa de inscrição é de R$ 12 e o interessado tem até o dia 30 para se inscrever pelo site www.mar.mil.br/cgcfn.

O candidato aprovado fará o curso de formação, em regime de internato, com a duração de 17 semanas, no Rio de Janeiro ou Brasília. Como recruta, durante o curso, receberá uma ajuda de custo mensal de R$ 642 para as despesas pessoais. Após a aprovação no curso, como soldado, a remuneração mensal é de cerca de R$1.587.

A primeira etapa do processo seletivo consiste em um exame de escolaridade, com provas de Português e Matemática, a ser realizado no dia 26 de maio. Os aprovados na etapa inicial passarão ainda por verificação de dados biográficos e documentos, teste psicológico, inspeção de saúde e teste de suficiência física.

Fernando Bentes, diretor do site Questões de Concursos, diz que a seleção de fuzileiro naval cobra conteúdos típicos do Ensino Médio</CW>. “Aconselho um estudo teórico dos livros que o candidato leu na escola. Para as questões de interpretação de texto, o ideal é ler bastante notícias, colunas de jornal ou blogs de jornalistas conceituados. Depois, deve fazer o esforço de sintetizar as ideias de um texto. Assim, já estará treinando para ler, entender e responder corretamente às perguntas do texto que cairá na prova”, ensina Bentes.

Segundo Vitor Luiz da Silva, professor de Matemática da Rede Sistema Educandus de Ensino, em suas questões da matéria, a Marinha costuma abordar situações reais. “A banca expõe questões que envolvem o cotidiano da Marinha , voltados para o exercício da função. Dispõe de perguntas mais objetivas e diretas”, informa Silva.

Alex Amorin, 20 anos, aluno do Educandus, estuda há um ano para concurso e diz que matemática será o diferencial na prova. “É uma matéria que nem todos gostam e muitos candidatos deixam de se dedicar por conta disso”, conta. O jovem diz que sempre faz exercícios de fixação do conteúdo dado naquele dia pelo professor do cursinho.

Não descuidar da prova física

Na prova física o candidato precisa nadar 50 metros em até dois minutos, correr 3.200 metros em até 19 minutos, três repetições em flexão na barra, fazer 38 abdominais em um minuto. Para o diretor pedagógico da Academia do Concurso, Paulo Estrella, a preparação física deve ocorrer ao mesmo tempo que a preparação intelectual.

“Não dá tempo de fazer uma preparação de cada vez, já que o condicionamento físico é adquirido de forma lenta”, avalia. Na véspera da prova, Estrella orienta a limitar o estudo à fixação de conteúdos considerados decoreba e relembrar fórmulas e regras que auxiliem na prova.

“Sugiro deixar a noite livre e dormir cedo. Mas, antes disso, é bom arrumar o que será levado, definir o percurso e como chegará no local da prova”, adverte. Estrella acrescenta que a pessoa deve sair com antecedência para não chegar na correria e com estresse.

Você pode gostar