Por bferreira

Rio - O cargo público é cobiçado por muitos. É preciso estar atento às carreiras oferecidas. Muitas vezes, o estudante faz suas escolhas baseado no salário e benefícios oferecidos nos editais. Isso, muitas vezes, pode levar o candidato a um caminho errado.

O cargo deve ser assunto definido no início dos estudos. Com isso em mente, é possível fazer uma seleção ampla dos concursos oferecendo vagas para aquele cargo predefinido.

Uma orientação nesse sentido vai ajudar o estudante a montar um bom plano de estudos para conduzi-lo ao longo do ano.

As opções são muitas, e este ano já temos alguns editais em aberto. Acertar essas questões neste período pode garantir bom rendimento nos estudos.

Por Cláudia Jones

PERGUNTA E RESPOSTA

“Comecei a estudar agora para concurso. Estou fazendo um curso básico de Nível Superior para que mais tarde eu possa fazer os concursos que exigem qualquer graduação. Eu gostaria de saber se eu posso fazer vários concursos de Nível Superior?”

Estela, Rio Comprido

Olá Estela. O ideal é que o candidato interessado na carreira pública escolha uma área e não apenas um concurso, ou inscreva-se em todos os que aparecem.

Existem cargos que possuem muitas disciplinas em comum, mesmo sendo de órgãos ou entidades diferentes. Como exemplo, temos a área fiscal, em que, além do auditor e analista da Receita Federal, há o cargo o auditor fiscal do trabalho, o de fiscal do ICMS de cada um dos estados e o de fiscal do ISS em cada um dos municípios. A área tem em torno de 70% de conhecimentos comuns que servem a todos os concursos.

Assim, com a proximidade de cada edital, o candidato pode dedicar-se com mais calma às disciplinas específicas para o concurso em questão, dando tempo para se preparar e ter à disposição grande quantidade de oportunidades por ano e, dessa forma, oferta maior de salário.

A disposição do candidato para viajar a outras regiões também deve ser levada em consideração na escolha do concurso. Oportunidades atraentes podem surgir em regiões distantes de onde mora o candidato.

O mesmo argumento vale para as áreas de tribunais (TJ, TER, TRT, TRF...), segurança pública (Polícia Federal, Polícia Civil, Abin, Degase, Depen e secretarias estaduais de administração penitenciária), financeira (Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Bacen, BNDES, Susep, entre outros) e ambiental (Ibama, ICMBIo, ANA, além das secretarias estaduais e municipais de ambiente) entre outras.

Ao apontar para as áreas, o candidato reduz a quantidade de disciplinas trabalhadas para cada concurso e, assim, ganha qualidade nos estudos, já que muitas disciplinas podem ser reaproveitadas para outros exames.

Então, escolha a sua área e mãos à obra! Bons estudos.

Cláudia Jones é jornalista do site Questões de Concursos.

Você pode gostar