Por bferreira

Rio - Fazer compras no exterior foi, durante muito tempo, um hábito comum dos brasileiros. Com o dólar relativamente baixo, valia a pena viajar para Miami, por exemplo, para fazer o enxoval do casamento ou do bebê. Além disso, pedir para um amigo que estivesse lá fora trazer produtos como suplementos alimentares, maquiagem, chocolates, entre outros, também era de praxe.

Mas agora, com o dólar em alta, é preciso avaliar bem as vantagens de trazer os produtos do exterior. Dados do Banco Central apontam que o volume de gastos por brasileiros no exterior, no primeiro trimestre deste ano, foi o menor para o período desde 2011. É importante avaliar não apenas o preço, mas encargos tributários e questões como parcelamento e garantia.

Por Marco Quintarelli

PERGUNTA E RESPOSTA

“Sempre que viajo para fora do país compro alguns eletrônicos, suplementos alimentares e outros produtos, cujos preços são infinitamente melhores do que aqui no Brasil. Alguns amigos me disseram que compram também em sites internacionais. Mas agora com o dólar em alta continua valendo a pena comprar no exterior?”

Luiz Alberto, Méier

Com o mundo globalizado e o crescimento do consumo devido à facilidade de acesso de produtos importados no Brasil, as vantagens de adquirir um produto no exterior devem ser bem analisadas.

Observamos que nos Estados Unidos,por exemplo, estão constantemente lançando novos produtos e tecnologias nas áreas de som, imagem, telefonia, informática e até mesmo cosméticos e suplementos nutricionais.

Em alguns segmentos vemos claramente uma diferença considerável entre o preço do produto vendido lá fora e aqui no Brasil, algo em torno de 30% a 40%. Mas considere que, se você conseguisse comprar pela internet um produto qualquer que não fosse isento de taxação, este seria taxado pela Receita Federal em 60% do valor do bem adquirido, além dos 6,38% de IOF se fosse pago no cartão de crédito. Faça as contas destas informações junto à variação cambial. Será que vale a pena?

Mesmo se você viajar ou pedir a algum amigo para trazer o produto para você, pode ser uma boa oportunidade. A Instrução Normativa 1.059 da Receita Federal pode lhe esclarecer melhor isso. Ela lança novas regras para quem traz bagagem do exterior e garante a possibilidade de trazer alguns itens, como eletrônicos, sem a necessidade de pagamento de tributos, desde que o usuário consiga provar que adquiriu o produto para uso pessoal. Além disso, a isenção dos tributos valerá apenas para uma unidade de cada item.

Leve em consideração também que na maioria das lojas que vendem produtos importados no Brasil há possibilidade de parcelamento no cartão de crédito, além de ter seguro, troca ou outras vantagens que uma importação via site não garante.

Boas compras!

Marco Quintarelli é consultor do Grupo AZO. Segunda-feira, Sucesso nos Concursos

Você pode gostar