Por fernanda.macedo

Rio - A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), mostra que, em abril, o percentual de famílias endividadas subiu 61,6%, o que representa alta de dois pontos percentuais em relação aos 59,6% de março. Mas houve queda se comparado aos 62,3% de abril de 2014. Em fevereiro, o índice foi de 57,8%.

A proporção de famílias com dívidas ou contas em atraso também aumentou na comparação mensal, passando de 17,9% em março para 19,7% do total em abril de 2015. Entretanto, houve queda no percentual de famílias inadimplentes em relação a abril de 2014, quando esse indicador alcançou 21%. O percentual de famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso aumentou na comparação mensal, mas permaneceu estável na comparação anual, alcançando 6,9% em abril de 2015, ante 6,2% em março de 2015 e 6,9% em abril de 2014.

Para a CNC, fatores sazonais relacionados ao maior comprometimento da renda das famílias com gastos extras de início de ano continuaram influenciado os resultados da pesquisa. De acordo com a entidade, a moderação do crescimento do crédito para as famílias continua permitindo patamares menores de endividamento e inadimplência neste ano, em comparação ao ano passado.

Endividamento vai a 61,6% em abril

A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), mostra que, em abril, o percentual de famílias endividadas subiu 61,6%, o que representa alta de dois pontos percentuais em relação aos 59,6% de março. Mas houve queda se comparado aos 62,3% de abril de 2014. Em fevereiro, o índice foi de 57,8%.

A proporção de famílias com dívidas ou contas em atraso também aumentou na comparação mensal, passando de 17,9% em março para 19,7% do total em abril de 2015. Entretanto, houve queda no percentual de famílias inadimplentes em relação a abril de 2014, quando esse indicador alcançou 21%. O percentual de famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas ou dívidas em atraso aumentou na comparação mensal, mas permaneceu estável na comparação anual, alcançando 6,9% em abril de 2015, ante 6,2% em março de 2015 e 6,9% em abril de 2014.

Para a CNC, fatores sazonais relacionados ao maior comprometimento da renda das famílias com gastos extras de início de ano continuaram influenciado os resultados da pesquisa. De acordo com a entidade, a moderação do crescimento do crédito para as famílias continua permitindo patamares menores de endividamento e inadimplência neste ano, em comparação ao ano passado.

Você pode gostar