Sucesso nas finanças: Compras financiadas

Qualquer pessoa que faça compra parcelada deve estar ciente de que poderá ter seu nome inscrito no cadastro de inadimplência

Por O Dia

Rio - Qualquer pessoa que faça compra parcelada deve estar ciente de que poderá ter seu nome inscrito no cadastro de inadimplência das instituições Serasa/SPC, caso não pague em dia. É sempre recomendado tentar negociar, amigavelmente, qualquer que seja a dívida. Nesse sentido, procure a empresa fornecedora e apresente algumas propostas, dentro de suas possibilidades de pagamento, e muito bem fundamentadas. Ao se dirigir para a negociação, esteja preparado para analisar, questionar e apresentar suas propostas visando à quitação da dívida, isso é de grande importância. Procure levantar os valores cobrados pelo atraso de pagamento, inclusive considerando multas e taxas de juros, pois suas chances de obter descontos podem ser grandes nesses itens.

Por Jair Abreu Júnior

PERGUNTA E RESPOSTA

“Comprei uma moto e fui roubado antes de quitar a dívida, mas a moto não tinha seguro. Fiquei sem pagar as parcelas do financiamento por seis meses. Como faço para acertar a dívida? Corro o risco de perder outros bens em meu nome por isso?”

João, Ilha do Governador

João, em geral tem sido prática por parte dos devedores elaborar uma carta em duas vias para encaminhar ao financiador do bem (banco, financeira, loja). O recibo da entrega da mesma evidencia o seu interesse em pagar a dívida, ressalvando, porém, apenas o valor que julga ser correto.

Ou seja, o valor do principal mais 1% de juros de mora, mais 2% de multa ao mês e nada mais — segundo o Código de Proteção e Defesa do Consumidor — eliminando juros abusivos, taxas, multas e encargos diversos que possam afetar de forma desleal sua dívida.

Mantenha bem guardada a cópia desta carta, pois poderá ser útil no futuro, se for necessário realizar um processo revisional. Havendo recusa da instituição credora, você estará isento das responsabilidades abusivas impostas pela mesma, após a data de entrega da respectiva carta.

Não aceite e nunca confesse imediatamente, quando inadimplente, uma dívida imposta pelo credor. Peça explicações sobre a evolução e composição detalhada do valor devido. A instituição credora não pode sonegar informações referentes à sua dívida e, caso isso ocorra, está explícito que algo deve estar errado.

Ou seja, é possível que a empresa esteja agindo indevidamente e, nesse caso, cabe fazer denúncia ao órgão regulador (Defesa do Consumidor).

Seja proativo, não espere que a outra parte resolva seu caso com espontaneidade, atendendo ao seu desejo de imediato e 100%. Não esqueça de que você será sempre a melhor pessoa para defender seus interesses. E, dependendo de cada caso, sempre amparado por um profissional da área legal (advogado). Quanto à busca e apreensão de bens de sua propriedade, sim, isso é possível, uma vez julgado dessa forma. Boa sorte!

Jair Abreu Júnior é coordenador em Gestão Financeira da Universidade Estácio de Sá

Últimas de _legado_Economia