Por bferreira

Rio - Apesar da crise no país ter causado retração na área de Construção Civil, ainda há oportunidades de trabalho no setor. O Mega Feirão da Indústria da Construção no Rio de Janeiro vai oferecer 500 vagas de emprego e estágio nesse segmento, além de 800 em cursos gratuitos. No ano passado, o evento ofereceu 3 mil postos de trabalho e 10 mil chances de capacitação.

Para Luis Claudio Mariano Monteiro, diretor industrial da SH, empresa que fornece equipamentos para Construção Civil, o país passa por momento de crise política e econômica, o que prejudica a confiança dos investidores e afeta negativamente o setor. “O Joaquim Levy (ministro da Fazenda) passa credibilidade e o governo está freando os gastos, mas acredito que o cenário só deve melhorar para a Construção Civil em 2017. Até lá, empresas estão em processo de contenção de despesas”, diz.

A quinta edição do Feirão acontece no próximo sábado, no Campo de Santana, Centro do Rio. O evento é organizado pelo Serviço Social da Indústria da Construção do Rio (Seconci-Rio) e pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon-Rio), com apoio do Sistema Firjan e do Senai-RJ.

Ana Cláudia Gomes, gerente de Relações Institucionais do Seconci-Rio, lembra que este ano o feirão vai oferecer novidade. “Teremos o espaço ‘Trabalho Seguro’ com demonstrações de como atuar com eletricidade e em altura”, conta. O feirão é dividido em seis setores: cidadania, qualificação, emprego, tecnologia, saúde e trabalho seguro. Empresas e entidades parceiras como Pasi, Fundação Leão XVII, Faetec, Mão na Massa, Instituto Locus, Direcional, Tenda, Even e Instituto Cyrela já confirmaram presença.

Para Jean Paul Procópio 26 anos, estudante de Arquitetura, a feira é ótima oportunidade para quem pretende fazer carreira no setor. “É importante estar bem qualificado para essa área que é bastante competitiva, sem contar a oportunidade de conhecer melhor as empresas”.

Dezoito anos é a idade mínima para concorrer às oportunidades e interessados deverão apresentar carteira de trabalho, comprovante de residência, identidade, certidão de nascimento, comprovante de escolaridade e certificado de reservista. Segundo o Seconci-Rio, os salários do setor tiveram aumento geral de 9,38% este ano, com ganho real de 2,5%.

Início de ano fraco para Construção

A Construção Civil registrou queda de 0,02% no Rio de Janeiro em abril, de acordo com o Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi), medido pelo IBGE. No Brasil, houve crescimento de 0,5% no mês passado, contra 0,23% em março.

No entanto, o setor registrou queda de 0,68% no nível de emprego de fevereiro para março no país, segundo pesquisa do Sindicato da Indústria da Construção Civil de São Paulo (SindusCon-SP), em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV).

O saldo entre demissões e contratações representou déficit de 22,3 mil postos de trabalho com carteira assinada. Com relação a março de 2014, foram fechadas 296,9 mil vagas, o que representa redução de 8,36%. Em números absolutos, o Sudeste (-0,52%) foi a região que teve mais postos de trabalho fechados: 8.603 vagas.

Você pode gostar