Por bferreira

Rio - Quem começa a empreender, fatalmente vai se deparar com alguns termos próprios do universo corporativo que podem não ser familiares, como capital de giro e ponto de equilíbrio, entre outros. Para o negócio, é importante que o empresário conheça o significado dessas expressões e, mais do que isso, saiba aplicá-las no dia a dia.

No entanto, não é preciso se assustar com palavras e termos desconhecidos. Como o uso é muito frequente, o empresário acaba se acostumando com eles. Mas vale lembrar que existem cursos e consultorias oferecidos pelo Sebrae e outras instituições que buscam capacitar o empreendedor para conhecer melhor o mundo dos negócios em todos os seus detalhes. Abaixo, saiba mais sobre algumas expressões.

Por Cezar Vasquez

PERGUNTA E RESPOSTA

“No meio do empreendedorismo existem alguns termos técnicos, como capital de giro e ponto de equilíbrio, por exemplo. Poderia esclarecer algumas dessas expressões?”

Kathiane Silva, Penha

Prezada Kathiane, o uso de termos técnicos é muito comum e rapidamente você vai se acostumar com eles. Vamos lá. “Capital de giro” significa o capital necessário para financiar a continuidade das operações da empresa. Na prática, funciona assim: se você vender a prazo, será preciso custear este financiamento para ter dinheiro suficiente até receber o valor das parcelas. É preciso também ter recursos para manter estoques e pagar os fornecedores (compras de matéria-prima ou mercadorias de revenda), impostos, salários e demais custos operacionais.

Você percebe que, se o capital de giro está relacionado com as contas financeiras que movimentam o dia a dia da empresa, podemos concluir que toda empresa que vende a prazo precisa de recursos para financiar seus clientes e que toda empresa que mantém estoque de matéria-prima ou de mercadorias precisa de recursos para financiá-lo? Assim, capital de giro é o resultado da diferença entre o dinheiro que você tem disponível e o dinheiro que você deve.

Já “ponto de equilíbrio” é um indicador de segurança do negócio, pois mostra o quanto é necessário vender para que as receitas fiquem iguais às despesas e aos custos. Indica em que momento, a partir das projeções de vendas, a empresa estará igualando suas receitas e seus custos. Com isso, é eliminada a possibilidade de prejuízo em sua operação. No ponto de equilíbrio, a empresa não terá lucro nem prejuízo.

Normalmente, o ponto de equilíbrio é calculado sob a forma de um percentual da receita projetada. Vou dar um exemplo: um ponto de equilíbrio de 65% para receita de R$ 100 mil anuais indica que a empresa terá eliminado as possibilidades de prejuízo quando tiver atingido o montante de R$ 65 mil em vendas, passando, a partir de então, a acumular lucro. Quanto mais baixo for o indicador, menos arriscado é o negócio.

Cezar Vasquez é superintendente do Sebrae-RJ. Amanhã, Sucesso nas Compras

Você pode gostar