Santander amplia linha de crédito a pequenas empresas

Programa inclui capacitação e chance de negócios no exterior

Por O Dia

São Paulo - Em busca de novos mercados, o Santander lançou ontem plataforma com serviços e produtos destinados a pequenos e médios empresários. O banco vai oferecer R$15 bilhões em linhas de crédito para negócios com faturamento anual de até R$ 80 milhões. E fez parceria com entidades como Sebrae e Endeavor para capacitar e apoiar empreendedores. A maior novidade, porém, fica por conta da criação de rede global de contatos entre empresas brasileiras e de outros países, com suporte na busca por oportunidades de negócio no exterior.

Hoje, a instituição tem 700 mil clientes pequenos e médios empresários no país, com R$ 38 bilhões emprestados nesse segmento.

“O ajuste fiscal vai fazer com que o país comece a crescer novamente. Vamos levar otimismo nesse momento e ajudar as empresas a passarem por essa fase. O Brasil tem um potencial maior do que o mercado está reconhecendo”, disse Jesús Zabalza, presidente do Santander Brasil.

Vice-presidente sênior executivo de Varejo do Santander, Conrado Engel anunciou também que o banco vai custear este ano 500 estagiários para as empresas parceiras. Em três anos, o objetivo é passar para três mil.

O programa Negócios & Empresas inclui redução no prazo de abertura de conta corrente, prazo de dois dias para instalação das maquininhas de cartão de crédito GetNet — com aceitação de todas as bandeiras a partir do terceiro trimestre — e simplificação no processo de concessão de crédito. Inclui liberação automática a depender de valores e perfil do tomador.

Já o Programa Avançar oferece capacitação aos empresários e funcionários por meio de cursos online, workshops e palestras. E promove a internacionalização por meio do portal na internet, que reúne informações estratégicas de 186 países, além de possibilitar o contato entre as empresas.

Compra do HSBC é uma possibilidade

Durante coletiva de imprensa na Torre Santander, em São Paulo, para apresentação do novo programa voltado às pequenas e médias empresas, o presidente da instituição no Brasil, Jesús Zabalza, disse considerar a possibilidade de compra do HSBC. “Vamos avaliar todas as oportunidades que se apresentarem”, afirmou ele, esclarecendo que ainda não foram feitas propostas.

Sobre o valor de ativos do HSBC Brasil, calculado em US$ 4 bilhões (R$ 12,1 bi) Zabalza comentou que “não é um capital nada exagerado. É ‘assumível’ para o tamanho do Santander”.

A direção do HSBC revelou recentemente que poderia se desfazer de operações no Brasil, México e Estados Unidos. A partir daí começaram rumores de que Bradesco e Santander disputariam a compra.

A repórter viajou a convite do banco

Últimas de _legado_Economia