Brasil fecha 115.599 vagas em maio e tem pior resultado desde 1992

Rio de Janeiro perde 11 mil empregos no mês, concentrados na Região Metropolitana

Por O Dia

Rio - O Brasil fechou 115.599 vagas formais de trabalho em maio, no pior resultado para o mês desde o começo da série histórica, iniciada em 1992. Foi a primeira vez que houve saldo negativo de vagas no período, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado ontem pelo Ministério do Trabalho e Emprego. Foram 1.464.645 admissões, contra 1.580.244 demissões no país.

Dos oito setores pesquisados, somente a agricultura teve saldo positivo de empregos, com a criação de 28.362 vagas. Na outra ponta, o setor que mais sofreu corte de vagas foi a indústria de transformação, com a perda de 60.989 vagas. Dentro da área, as indústrias mecânica e de produção de alimentos foram as que mais cortaram postos. O segmento da construção civil registrou corte de 29.795 vagas e o comércio 19.351.

CRISE POLÍTICA

O ministro do Trabalho, Manoel Dias, reconheceu que o resultado foi ruim e o atribuiu a uma crise política. “Não é uma crise econômica, é uma crise política. Temos uma população que, pela contaminação do discurso da crise, tem postergado a compra”, afirmou o ministro. Dias disse ainda que espera uma melhora do cenário no segundo semestre, com estímulos vindos do FGTS. “O FGTS já desembolsou R$ 20 bilhões, neste primeiro semestre, para o setor da habitação e saneamento básico. Esse recurso vai ajudar a recuperar os empregos na construção civil, que deve gerar mais de 1 milhão de novos postos ainda em 2015”, afirmou o ministro.

No saldo ajustado — que contempla informações divulgadas fora do prazo — desde o início do ano, houve 243.948 cortes de vagas no mercado formal.

O comércio foi o setor que mais perdeu vagas nos últimos cinco meses. Foram 159.315 postos cortados. No período, a indústria de transformação e a construção civil também ficaram com saldos negativos. Já os segmentos de serviço, administração pública e agricultura tiveram criação de vagas em todo o país.

Rio perde 11 mil vagas em maio

No Estado do Rio, foram eliminadas 11.105 vagas celetistas, o que representa 9,6% das perdas registradas em todo o país.

O serviço foi o setor que registrou o maior saldo negativo, com o fechamento de 5.153 postos, seguido da indústria de transformação (3.722 postos) e comércio (3.048).

O setor de construção civil, que teve desempenho negativo nos dados nacionais, registrou comportamento diverso no estado, com a geração de 856 postos de trabalho no mês. A capital está com várias obras em andamento devido aos Jogos Olímpicos de 2013, como a ampliação das linhas de metrô, a construção do Parque Olímpico e as obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).

A Região Metropolitana foi a mais afetada, com a perda de 7.760 empregos formais, o que representa 62% do total das vagas fechadas.

Desde o início do ano, o Rio foi o estado que mais fechou vagas no país. O estado perdeu 71.091, uma diminuição de 1,81% do estoque total.

Últimas de _legado_Economia