Gilberto Braga: Quanto vale um segundo?

Em função da rotação da Terra, todos os relógios foram atrasados em um segundo

Por O Dia

Rio - Participei no último domingo de uma reportagem de televisão sobre o ajuste dos relógios no mundo em um segundo e o que isso mexe com a vida da gente. Por conta de razões do movimento de rotação da terra, nesta semana, todos os relógios foram atrasados em um segundo e ganhamos um segundo a mais de vida. O que isso representa você?

Minha parte foi comentar sobre o mundo das finanças e o que representa um segundo a mais. Pois nessa fração de tempo pode-se ganhar ou perder milhões na bolsa de valores e nos mercados. Um novo segundo é tempo suficiente para se fazer mais um click no mouse ou apertar a tecla “enter” do computador e comandar uma nova operação de compra ou venda de ações, de dólares, de commodities e outros ativos financeiros. Num mundo virtual, onde todos estamos conectados em rede, cada segundo vale muito e pode fazer a diferença entre o lucro e o prejuízo.

Há no mundo atual uma nova escala de valores e de percepções. Um segundo pode ser o tempo suficiente para frear um veículo e impedir uma colisão e pode demorar uma eternidade na cadeira do dentista para quem é medroso. Pode representar a vitória ou a derrota numa corrida de Fórmula 1 ou a cesta derradeira no jogo de basquete e por aí vai. Tudo isso tem muito valor, mas que não é diretamente expresso em moeda.

Da mesma forma, em um segundo se dá um beijo, se pronuncia a palavra amor, gera uma piscada de olho e um olhar fulminante. Parece que o fato do mundo ganhar um segundo a mais não é nada, mas a noção de tempo é relativa e ele pode valer muito, até mesmo a felicidade ou a eternidade, dependendo da sua escala de valores. Um segundo a mais vale viver intensamente.

Gilberto Braga é professor de Finanças do Ibmec e da Fundação Dom Cabral

Últimas de _legado_Economia