Em tempos de juros altos, consórcios viram estrelas

Imóveis ou até eletrodomésticos são 40% mais baratos que nos financiamentos

Por O Dia

Rio - Com o crédito restrito e juros altos para financiamentos, a venda por meio de consórcios se tornou uma opção vantajosa para a compra de bens e serviços. A modalidade oferece desde casa a eletrodomésticos, e o desconto chega a 40%. De acordo com a Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac), o crescimento de participantes é de 9% somente nos quatro primeiros meses de 2015 em relação ao mesmo período de 2014.

Muito comum nas décadas de 1980 e 1990, o consórcio reúne um grupo de pessoas que paga uma mensalidade para um fundo que contempla por sorteio alguns consorciados com o crédito no valor do bem contratado, até todos serem atendidos. Ou seja, o interessado guarda o dinheiro para comprar sem financiar, podendo negociar descontos e outras vantagens.

A procura por consórcio cresce no mercado no momento em que a taxa média de juros do crédito para as famílias subiu em maio. O índice chegou ao recorde de 57,3% ao ano, a mais alta da série histórica do Banco Central (BC), iniciada em 2011.

Anderson está em quatro consórcios. Foi sorteado com um apartamento Daniel Castelo Branco / Agência O Dia

Ao mesmo tempo foi batido o recorde histórico de consorciados pela quarta vez consecutiva neste ano. Em abril, foram registrados 6,4 milhões. O setor de imóveis obteve crescimento de 20% no primeiro quadrimestre de 2014. São 65,5 mil novas cotas contra 54,7 mil. No setor de veículos leves, o aumento foi de 7,4%, apontando 318 mil novas adesões neste ano, sobre 296 mil no ano passado.

O corretor de vendas Anderson Borges contribui para esse número aumentar. Ele paga quatro consórcios: de uma moto (R$ 250), um carro (R$ 400), um terreno (R$ 300) e um apartamento (R$ 1 mil). As mensalidades somam R$ 1.950. “Já fui contemplado com o apartamento e já coloquei o imóvel para alugar”, comemora.

No consórcio, oferecer um lance garante ser contemplado antecipadamente, como os sorteados. O técnico Uélinton Damásio Lopes, 37, planejava comprar o carro novo por consórcio e esperar o sorteio, mas recebeu indenização da Justiça: “Com esse dinheiro, preferi negociar uma entrada de 75% e parcelar o restante em 48 vezes, sem juros fora do consórcio”.

Além de fugir dos juros altos, o consórcio ajuda a pessoa que não tem disciplina a poupar, pontua o consultor de varejo do Grupo AZO Marco Quintarelli: “Como o cenário ruim, o consumo imediato diminuiu e as pessoas são forçadas e administrar melhor as finanças”.

Mesmo com a demanda, o consórcio não deve salvar o comércio em 2015. “A confiança está abalada, afetada pela inflação e pelo desemprego, podendo gerar inadimplência”, analisa Fabio Bentes, economista da Confederação Nacional do Comércio. “As vendas caíram 16%, e a nossa previsão é cair 20% até fim do ano com a taxa Selic a 14%”, prevê.

COMO ENTRAR E COMO FUNCIONA O SISTEMA

TIRE DUAS DÚVIDAS

1. Como faço para entrar em um consórcio?

— Escolha uma administradora, verifique os planos, faça a adesão ao grupo com os melhores prazos e valores, leia o contrato, participe das assembleias que distribuem os créditos. Os contemplados são escolhidos por sorteio ou lance (antecipação de prestações). Utilize seu crédito para adquirir o bem ou serviço.

2. O que é uma administradora de consórcio??

— É a gestora do plano. Ela cobra uma taxa pelo serviço prestado.

3. O que é assembleia?

— Encontro destinado à contemplação dos consorciados, ao atendimento e à prestação de informações.

4. Como funciona a contemplação?

— Por meio de sorteios e lances, realizados nas assembleias mensais dos grupos de consórcio.

5. O que é lance?

— É o direito do consorciado concorrer à contemplação, mediante antecipação de parcelas oferecidas por ocasião das assembleias dos grupos. Dependendo da disponibilidade de caixa do grupo, será contemplado o maior lance, de acordo com o contrato.

6. Carta de crédito?

— Trata-se de uma ordem de faturamento emitida pela administradora, com a qual o consorciado vai adquirir o bem ou serviço de sua livre escolha. Para tanto, devem ser apresentadas as garantias exigidas pela administradora, de forma a preservar os interesses dos próprios consorciados.


Cuidados com promessas

Assim como há interessados em participar de consórcio, existe quem pretende desistir de esperar o sorteio. O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) considera que o desistente deve ser restituído imediatamente. Já quem foi excluído só recebe o dinheiro quando for sorteado. O valor devolvido não é integral, por conta da taxa de administração, que varia entre 11% a 21% do valor do contratado.

Se o consumidor entrar na Justiça para tentar reaver a quantia mais rápido pode não conseguir. Ainda não há precedentes para devolução antecipada. “Por isso o consorciado realmente tem que esperar o sorteio do grupo até ele ser desativado”, ressalta Geraldo Tardin, presidente do Instituto Brasileiro de Estudo e Defesa das Relações de Consumo (Ibedec).

E para fugir das armadilhas, o consumidor precisa ler o contrato, o valor do crédito e o prazo de duração, taxas administrativas, saber se o consórcio está registrado no Banco Central, escolher um que tenha tradição de mercado, verificar no Procon o número de reclamações da empresa e não acreditar nas ofertas e facilidades oferecidas pelos corretores.

“Se for oferecido lances ou entrega imediata é preciso confirmar se a informação consta no contrato. Não dá para saber quanto de lance dar para ter o bem logo. O que se pode fazer é pedir o extrato de um grupo e verificar qual o percentual de lance que está saindo. Geralmente são muito altos, acima de 60% ou 70%”, afirma Tardin.

As taxas de administraçãoArte O Dia


Os comparativos para os veículosArte O Dia


Últimas de _legado_Economia