Os pássaros malucos estão de volta

Nova versão do jogo Angry Birds agrada a crianças de 2 a 99 anos de idade

Por O Dia

Rio - Crianças de 2 a 99 anos de idade (ou mais) amam o Angry Birds. Para quem não se lembra, é o game com aqueles pássaros loucos que tomaram os smartphones e as ruas em 2009 e, com tanto sucesso, ganharam vida também em outras mídias. A brincadeira é simples: usar um estilingue gigante para matar porcos verdes e destruir suas construções. Detalhe: os tais pássaros enfurecidos são a munição. Foram nada menos que três bilhões de downloads em todo o mundo e uma explosão de produtos com a carinha dos bichos mais mal comportados da rede.

Os Angry Birds estão de voltaDivulgação

Depois da farra, eles ficaram quietos um tempo, o que foi uma decisão acertada, porque deixaram saudades. Não por acaso, voltam agora já batendo recordes. Lançado no fim da semana passada para os sistemas iOS (da Apple) e Android, o Angry Birds 2 mereceu mais de dez milhões de downloads em quatro dias. É muita coisa.

O melhor da nova versão é a interatividade. Assim, você poderá desafiar outros jogadores em qualquer lugar do mundo. A brincadeira é viciante também graças aos novos cenários e personagens — incluindo a Silver, que é delirante. A tecnologia evoluiu muito nos últimos anos, deixando a história muito mais realista, com plantas estranhíssimas e armadilhas a todo instante. Entre a munição disponível estão, além dos próprios pássaros, os patos mágicos e pedaços de pimenta. Coisa de maluco.

COMPARTILHAR É ECONOMIZAR

Ótima ideia a oficina “Criando a internet do quarteirão”, que ensina a galera a inventar servidores de jogos, bate-papo, compartilhamento de arquivos e a dividir a banda larga com os vizinhos. Merece todo o nosso apoio. Iniciativa da Nuvem - Estação Rural de Arte e Tecnologia, que hoje está tocando o projeto no Galpão Bela Maré e no Olabi, na Maré, gratuitamente, às 16h. É só chegar lá. E que venham outras.

O QUE ELES FALAM SOBRE O MERCADO

O LinkedIn está lançando no Brasil o programa Influencers, com colunas e artigos sobre o mercado de trabalho, empreendedorismo e assuntos afins. Entre outros, estão por lá a jovem empreendedora Bel Pesce, Laércio Cosentino (da Totvs), Nizan Guanaes, Ronaldo Lemos e Viviane Senna, entre outros. Vale a pena acompanhar o que eles estão pensando a respeito do nosso mercado, que anda bem atribulado. O Linkedin tem 22 milhões de usuários no Brasil.

MERCADO LIVRE: 16 ANOS DE SUCESSO

E o Mercado Livre comemora o seu 16º aniversário batendo a marca de 27 milhões de visitantes únicos por mês no Brasil. De acordo com a comScore Media Metrix de junho, trata-se do primeiro marketplace em audiência no comércio eletrônico brasileiro. Ainda segundo a consultoria, o total de visitantes da categoria de Varejo em todo o país é de 57 milhões de visitantes únicos, com 585,4 milhões de visitas.

>>> Continua sendo discutida, pelo mundo, a criação de uma taxa sobre sites que consomem muito tráfego da rede, tipo Google, Facebook etc. O ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, disse que, por aqui, ainda não há qualquer proposta consistente a respeito. Melhor ficar de olho.

É MELHOR ATENDER BEM

Você lembra que, semana passada, um cidadão perdeu a paciência com o mau atendimento e quebrou as vidraças da loja de uma operadora na Barra? Acho que não é com violência que a gente chega a algum lugar. Mas alguns leitores se manifestaram. Entre eles estava o Carlos Rocha: “Sendo mais um dos que são agredidos pelas operadoras de linhas móveis, me atrevo a responder a sua pergunta sobre o que aconteceria se os clientes maltratados e desrespeitados por elas começassem a usar de meios de força: Rapidamente os serviços seriam melhorados em cerca de 80%!!! Infelizmente às vezes é necessário fugir da boa educação e do convencional para ser respeitado no nosso país. Agências reguladoras? Órgãos de defesa do consumidor? As operadoras as atropelam e não as respeitam. Um abraço”. Fica, então, um registro. E a sugestão de que as operadoras reforcem as vidraças de suas lojas por aí...

Últimas de _legado_Economia