ANS suspende 73 planos de saúde por falta de cumprimento de prazo

Operadoras não podem vender seus convênios médicos até que melhorem atendimento

Por O Dia

Rio - Encarregada por fiscalizar os planos de saúde, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) anunciou ontem mais uma leva de suspensões. Desta vez foram 73 planos e de 15 operadoras que tiveram suas vendas suspensas por problemas como a falta de cumprimento de prazos e negativas indevidas de cobertura. Os serviços não poderão mais ser comercializados a partir de quinta-feira.

Entre as operadoras está a Unimed-Rio, com cerca de 170 mil usuários. Mas, segundo a agência, os três milhões de beneficiários dos planos suspensos não serão prejudicados, porque as operadoras serão obrigadas a melhorar os serviços para ter direito de conseguir novos clientes.

Além de ter a venda interrompida, as empresas que negaram indevidamente cobertura poderão ter que pagar multa que varia de R$80 mil a R$ 100 mil.

“A suspensão da comercialização de planos de saúde é uma das medidas preventivas para induzir as operadoras a melhorar a qualidade do atendimento”, declarou o diretor-presidente da ANS, José Carlos de Souza Abrahão.

A agência também anunciou que outros 52 planos que estavam interrompidos poderão voltar a ser vendidos por terem solucionado problemas apontados anteriormente.

A suspensão da comercialização dos convênios é resultado do Programa de Monitoramento da Garantia de Atendimento da agência, que analisa reclamações de consumidores a respeito de eventuais irregularidades cometidas pelas operadoras. Nesta etapa do programa, que compreendeu o período de março a junho deste ano, a ANS chegou a receber 21.273 reclamações de beneficiários sobre os serviços prestados. Destas, 14.276 eram queixas referentes à cobertura assistencial.

Apesar do esforço da agência na fiscalização, 11 das 15 operadoras que tiveram seus planos suspensos agora já tinham entrado na lista de suspensão do período anterior.

Últimas de _legado_Economia