Redes driblam crise com soluções de baixo investimento

Iniciativas como quiosques e microfranquias fazem parte do pacote

Por O Dia

Rio - Alguns brasileiros veem no empreendedorismo uma alternativa para não ficar “no vermelho”. Uma opção em tempos de crise é aplicar e apostar em pequenas franquias de baixo investimento. Mesmo com o varejo tendo o pior resultado desde 2003, o faturamento das franquias brasileiras cresceu 11,2 %, segundo a Associação Brasileira de Franquias.

Com apenas R$ 30 mil é possível abrir um quiosque de produtos naturais Via Verde ou um comércio de biscoito e guloseimas, o Clube Caramelo. Diretor de expansão do Grupo Albero e responsável pelas redes de franquia Clube Caramelo e Via Verde, Bruno Montez Carpes explica que é possível investir neste momento. O baixo investimento dos quiosques das franquias é uma opção para quem está apreensivo com o momento econômico. Ele diz que o retorno é mais rápido que os formatos normais.

Para quem tem medo de contas que não fecham, Sérvulo Mendonça, especialista na área contábil, gestão e finanças, sócio-diretor do Grupo Insigne, explica quais são os custos e tributação neste tipo de negócio. “Normalmente, os pequenos negócios estão relacionados ao modelo de tributação simplificado. Nesse modelo, o empreendedor terá um grande benefício, que é a desobrigação do pagamento do INSS Patronal, 20% do valor bruto de uma folha de pagamento mensal", comentou.

Ainda de acordo com Sérvulo,  os microempreendedores devem ter alguns cuidados. “É importante, nunca misturar o patrimônio dos sócios com o da empresa. Contabilmente, a falta de atenção dessa prática acarreta diversos equívocos na análise da empresa, pois os números da pessoa jurídica se confundem e se misturam com o da pessoa física. Esta inclusive é uma prática não aceita pelo fisco, e não condizente com as melhores práticas de mercado", explicou.

Últimas de _legado_Economia