Dinheiro curto leva consumidor a buscar presente mais barato para crianças

Pais, avós, tios e outros parentes buscam lembranças que caibam no orçamento

Por O Dia

Rio - Em meio ao cenário de aperto econômico no país, os consumidores tentam aliar o útil ao agradável, procurando presentes baratos que agradem às crianças, no dia dedicado a elas. Nesta segunda-feira, toda criança espera ganhar uma lembrança, por mais simples que seja. Com isso, pais, avós, tios e outros parentes buscam presentes que caibam no orçamento.

A dona de casa Maria das Graças Benedito, de 67 anos, foi às compras em busca de quatro presentes para três bisnetos e um neto. Ela conta que, somando, são mais de 30, entre netos e bisnetos. “São quatro os que eu quero presentear. Quero presentes de até R$10 para cada um, porque meu planejamento é R$ 40, no máximo, R$ 50. Tem muitos presentes que agradam à gente, mas tem de ser de acordo com o nosso planejamento”, disse Maria das Graças, que levou mais de quatro horas para achar o presente ideal.

Segundo a dona de casa, as crianças não pediram; ela é que quer agradar. Maria das Graças prefere dar brinquedos, por mais simples que sejam, do que roupas ou calçados. Dar um brinquedo é diferente de dar uma roupa. "A gente vê a reação da criança quando ganha um brinquedo. Às vezes, é um brinquedinho muito simples, mas a alegria da criança é muito grande quando vê o brinquedinho.”

Pesquisa divulgada pela Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ) mostrou que 46% dos brasileiros têm intenção de presentear no Dia da Criança deste ano. Segundo o gerente de Economia da Fecomércio-RJ, Christian Travassos, a expectativa é de movimentação de R$ 6,8 bilhões no comércio de rua, em shopping centers e nas vendas virtuais. “As datas comemorativas continuam fundamentais para o varejo, porque o brasileiro pisou no freio ao longo dos últimos anos, consumindo de forma mais seletiva, especialmente em ocasiões como esta.”

De acordo com a pesquisa, 65% dos que vão presentear as crianças preferem dar brinquedos. Roupas e calçados são a escolha de 28%, a bicicleta é a opção de 4% e 5% pretendem comprar videogames ou jogos de computador. Segundo o estudo, o gasto médio por pessoa com os presentes será de R$ 102.

A aposentada Ana Maria Malagute, de 60 anos, levou um dos três netos para escolher o presente. Confirmando a pesquisa, Caique, de 7 anos, escolheu um brinquedo. “Ele quer um carrinho, que ainda não achoamos. Quero presentear os três netos, mas vai depender do dinheiro. É preciso andar bastante para achar o presente mais barato porque a gente não tem dinheiro.” Ana Maria pretende gastar R$ 60 nos três presentes.

O presidente do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro, Aldo Gonçalves, disse que os pais, normalmente, fazem um sacrifício porque todos gostam de dar um presente para os filhos, netos, sobrinhos ou afilhados. “É uma época difícil, com um cenário econômico muito complicado", afirmou Gonçalves.

De acordo com Gonçalves, pesquisa feita pelo CDL com seus associados indicou crescimento modesto, em torno de 2%. "Isso porque estamos atravessando um período de vendas muito fraco devido à inflação alta, aos juros altos e ao alto índice de desemprego. É um panorama nada favorável. Mesmo assim, esperamos crescimento moderado de vendas até porque as crianças são sempre prioridade.”

A estudante Aline Cristina Santos, de 18 anos, que tem um filho de 3 anos, Guilherme, e está grávida de seis meses do Gabriel, foi às compras, embora seu orçamento esteja mais apertado do que no ano passado. “Como ele [Guilherme] brinca com o que tiver, eu é que estou escolhendo o presente, mas pelo preço. E sei que ele vai gostar."