Greve dos bancos prejudicou clientes que dependiam de serviços no caixa

Agências abriram normalmente nesta terça-feira

Por O Dia

Rio - Após 21 dias de greve, os bancos do Rio voltaram a funcionar ontem, com vários clientes buscando resolver problemas com suas contas. Apesar do período de paralisação, as agências do Centro não registraram grandes filas, já que os clientes puderam recorrer aos serviços de lotéricas, além de caixas eletrônicos e internet banking durante o movimento. Já na Baixada Fluminense e em Campo Grande, as agências registraram demora no atendimento na boca do caixa.

A greve começou no último dia 6. A categoria, que pedia 16% de reajuste salarial, aceitou a proposta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), feita na sexta-feira, de aumento de 10%. Inicialmente, os bancos ofereceram 5,5% de correção e abono de R$ 2,5 mil. Após o impasse nas negociações, a Fenaban aumentou a proposta para 8,75% e, por fim, para 10%, incluindo correção de 14% no vale-refeição e no alimentação.

Com o funcionamento das agências ontem, a técnica em análises clínicas Marilis Ferreira, 23 anos, correu para sua agência da Caixa Econômica Federal em Nilópolis, mas reclamou do atendimento: “Saí de lá porque estava cheia. Aqui no Centro do Rio foi rápido”.

O consultor empresarial Clênio Araújo, 76, queixou-se das restrições impostas pela greve. “Minha senha eletrônica para internet banking estava bloqueada e o desbloqueio só pode ser feito na agência. Não tive como fazer”, relatou.

Já a contadora Fernanda Duarte, 32, afirma que os serviços eletrônicos ajudaram os clientes: “Com exceção de idosos, acho que muita gente usa o internet banking ”. Os comerciantes Guilherme Queiroz, 64, e Nayara Fernandes, 24, fizeram coro. “Usei lotéricas e serviços eletrônicos”, afirmou ele.

Presidenta do Sindicato dos Bancários do Rio, Adriana Nalesso diz que não houve problemas nas agências da cidade. Ela lembrou que assim que a greve acabar em alguns estados, o Comando Nacional da categoria assinará acordo com a Fenaban, previsto para o próximo dia 4. “Vamos receber o reajuste 10 dias após a celebração do acordo”, disse.

Últimas de _legado_Economia