Comércio antecipa Black Friday com ofertas de 70%

Quem pesquisa por preços na internet ou em pontos de venda consegue economizar até R$ 1.500 na compra de eletrônicos. Data é comemorada dia 27

Por O Dia

Rio - O consumidor que não quiser esperar o fim do mês para aproveitar os descontos graúdos da Black Friday já encontra produtos a preços camaradas. A data só é comemorada no dia 27 deste mês, mas já é possível economizar até R$ 1.500 na compra de eletrônicos em lojas na internet. Nos shoppings, os descontos variam de 20% a 70% — boa notícia para quem quer aproveitar enquanto o salário ainda não foi embora para adiantar as compras de Natal.

Para muitos consumidores%2C a Black Friday é uma boa oportunidade de comprar os presentes de Natal com preços mais em contaCarlo Wrede / Agência O Dia

É o caso do fotógrafo Luiz Souza, que conseguiu um desconto de R$ 1.110 em um notebook no site da Magazine Luiza, que promove ofertas durante o mês de novembro. De R$ 3.800, o aparelho estava ofertado a R$ 2.690. Mas, comparado ao preço que estava habituado a encontrar, o desconto acabou sendo ainda maior, de R$ 1.500. “Na loja original e em outros sites eu não conseguia encontrar o computador por menos de R$ 4.200”, conta.

Na Netshoes, loja online de artigos esportivos, os consumidores encontram tênis com 40% de desconto. E as ofertas não estão apenas na internet: vitrines de lojas já começam a anunciar descontos de até 70%. Uma bata na loja de roupas Zinzane do Caxias Shopping, por exemplo, pode ser encontrada por R$59,99, 67% mais barata que o preço original, de R$179,99. Na Mercatto do Carioca Shopping, uma blusa estampada teve o preço reduzido em 63% — saiu de R$35,99 por R$ 12,99.

Segundo o presidente do Clube de Diretores Lojistas do Rio, Aldo Gonçalves, a antecipação da data é uma forma de atrair clientes em tempos de crise. “É um período que tem dado bons resultados. No momento difícil que o comércio vive, isso ganha importância e as lojas aproveitam para aumentar as vendas. É uma tentativa de minimizar o impacto da inflação, do arrocho salarial e do desemprego, que afastam o consumidor”, diz.

Mas também é preciso estar atento a pegadinhas de consumo. Para Leonardo Muniz, advogado especialista em direito do consumidor, é importante ficar de olho em promoções que só são válidas no caso de pagamentos em dinheiro, ou que envolvem venda casada, práticas abusivas, segundo o Código de Defesa do Consumidor.

“Um exemplo de venda casada é a oferta do produto aliada à aquisição de uma garantia estendida. No caso de promoções apenas no pagamento em dinheiro, o consumidor também deve contestar. Elas precisam valer para pagamento em cartão de débito e crédito também”, explica.

Segundo o advogado, a política de troca merece atenção. As lojas são obrigadas a trocar produtos que apresentam defeito mesmo que tenham sido adquiridos durante as promoções. “Na troca de produtos que não tenham defeitos, porém, não existe essa obrigatoriedade”, completa.

Últimas de _legado_Economia