Por bferreira

Rio - Diante da crise econômica no Estado do Rio, sindicatos preparam ações judiciais para tentar reverter o cenário de salários atrasados do funcionalismo público e de terceirizados. Entidades também se mobilizam para fazer manifestações.

O Sindicato dos Médicos do Rio entrará com processo nos próximos dias. De acordo com o presidente Jorge Darze será reivindicado o pagamento do salário sem parcelamento e mais atenção para os vencimentos dos terceirizados.

“Já estamos com todos médicos terceirizados recebendo atrasado desde o início do mês, agora também envolveu o funcionalismo público. Precisamos reagir contra essa vergonha, que não garante nem o salário de quem faz parte do quadro de funcionários do estado. Isso é contra a Constituição”, reclamou.

O Sindicato dos Enfermeiros do Rio também está recorrendo ao Judiciário contra o estado. Segundo a presidenta Mônica Armada, a entidade espera protocolar o processo até o fim desta semana. “Metade da nossa categoria é formada por terceirizados, que são tratados com muita falta de respeito. Precisamos lutar contra isso”, reforçou.

Enquanto isso, o Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação do Rio (Sepe) se reunirá em assembleia extraordinária esta semana para decidir quais providências tomar. Mesmo descartando greve, a coordenadora da entidade Marta Moraes prevê atos em todo estado. “Não vamos aceitar calados o parcelamento do nosso salário e, muito menos, o descaso sobre o 13º. Estamos passando por situação absurda”, desabafou.

Ontem, o governador Pezão voltou a afirmar que não sabe como pagará o abono de Natal no dia 17 deste mês, após anunciar o parcelamento do salário de novembro.

Você pode gostar