Por bferreira

Rio - Hoje, diante da realidade econômica em que vivemos, planejar o futuro é fundamental. As formas de investir são muitas, desde as mais simples como as poupanças e até as mais complexas como a compra e a venda de ações no pregão.

Cabe a cada um identificar as necessidades e condições de investimento. Não faz sentido ter dívidas para guardar dinheiro, é preciso consciência para não acabar atropelando as ideias. Uma opção que tem atraído bastante investidores, pela boa rentabilidade é o Tesouro Nacional.

Além de acessível e de apresentar possibilidade que se encaixam no bolso do brasileiro, o Tesouro oferece liquidez diária. Representa, portanto, excelente oportunidade para fazer planejamento financeiro sem complicações.

Por Roberto Dias do Amaral

PERGUNTA E RESPOSTA

“Recebi um dinheiro que gostaria de investir em algum fundo melhor que a poupança. Sou leigo nesse assunto. Poderia me orientar quanto a uma opção mais viável para o meu caso?”

Leandro, São Gonçalo

Leandro, todo planejamento financeiro é uma livre decisão. A melhor maneira quem vai decidir é você e essa decisão deve ser a mais adequada à sua realidade.

Claro que o seu planejamento deve contemplar os itens que você precisa. A definição das metas, ou seja, o que você pretende fazer é de extrema importância para um planejamento ideal. Deixar dívidas para poupar dinheiro, não convém. Lembre-se que ninguém é melhor para cuidar do seu dinheiro do que você mesmo.

A poupança hoje não é a melhor opção, simplesmente pelo momento econômico em que vivemos. Claro que, se ainda não existe um investimento que você conheça, deixe na poupança. Se descobrir outra aplicação, retire o montante e reaplique.

Temos outro tipo de aplicação que é o Tesouro Direto, em que qualquer pessoa poderá investir e tem tem sido o mais rentável e seguro. Os títulos públicos são os ativos de menor risco da economia, pois são 100% garantidos pelo Tesouro Nacional, ou seja, o governo federal assume o seu pagamento. 

Vale ressaltar que uma vez adquiridos os títulos públicos, eles são registrados em nome do comprador no ambiente seguro da BM&FBovespa. Isso reforça a segurança do programa, pois permite ao investidor mudar de instituição financeira, na eventualidade de problemas com o seu agente intermediário original, sem colocar em risco a sua aplicação.

Além de ser a alternativa de investimento com menor risco do mercado, o Tesouro Direto oferece mecanismos para que você possa acompanhar os seus investimentos com facilidade, ampliando sua segurança.

Além de disponibilizar informações sobre suas aplicações no extrato, toda movimentação pode ser consultada por meio do Canal Eletrônico do Investidor (CEI), serviço via internet prestado pela BM&FBovespa.

Roberto Dias do Amaral é coordenador em Ciências Contábeis da Estácio de Sá

Você pode gostar