Por cadu.bruno

Rio - Profissionais da educação da rede municipal de ensino decidiram manter a greve da categoria. A decisão foi tomada no início da tarde desta segunda-feira, após assembleia realizada no Terreirão do Samba, na Cidade Nova. Cerca de 10 mil pessoas participaram do encontro.

"Os profissionais optaram por continuar a greve por entender que voltar ao trabalho enquanto pedem outras mudanças pode enfraquecer o movimento", disse a professora Gesa Correa.

Profissionais decidiram manter greveJosé Pedro Monteiro / Agência O Dia

A paralisação começou no dia 8 de agosto. A categoria está em greve e reivindica aumento salarial de 19% e plano de carreira unificado, fim do pagamento de gratificações por desempenho e reserva de um terço da carga horária para atividades de planejamento. O reajuste salarial conquistado pelos profissionais foi de apenas 8%.

Nesta terça alguns representantes dos profissionais vão se reunir novamente com o prefeito Eduardo Paes (PMDB) e a secretária de Educação Cláudia Costin. Eles se reuniram na última sexta-feira, mas não chegaram a um acordo.

Paes e Costin devem discutir a reivindicação de valorização da formação e do tempo de serviço. Se voltassem ao trabalho, entrariam enfraquecidos na reunião. "A nossa greve não é apenas por dinheiro, também queremos uma educação digna para os alunos", disse Gesa. Uma nova assembléia será realizada nesta quarta-feira para decidir os rumos da greve.

Após a assembléia realizada no Terreirão, os profissionais seguirão em direção `Prefeitura do Rio em passeata. A Avenida Presidente Vargas chegou a ficar fechada por cerca de 5 minutos e o trânsito apresentou lentidão nos dois sentidos da via.

Após assembléia que decidiu a continuação da greve%2C professores seguiram em direção à Prefeitura do RioEstefan Radovicz / Agência O Dia


Você pode gostar