Por tamyres.matos
Rio - O grupo Galileo Educacional — que administra a Universidade Gama Filho e a UniverCidade — pode ser investigado pela Polícia Federal. O Ministério Público Federal solicitou ontem à instituição a abertura de dois inquéritos criminais: há denúncias de gestão fraudulenta e lavagem de dinheiro e de não cumprimento das obrigações trabalhistas dos funcionários das universidades.
Além disso, o descredenciamento das duas universidades está mobilizando outros órgãos, como o Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj) e o Procon. No dia 22, a entidade que representa os médicos se reunirá com a Procuradoria Geral da República, em Brasília, para que obrigue a União a garantir a formação de todos os jovens, no período previsto.

A alegação é de que a Gama Filho é a maior faculdade privada de Medicina do país, com cerca de 2.200 alunos, formando 400 por ano. Já o Procon autuou nesta quarta o grupo Galileo por dificultar a transferência de alunos, em decorrência da falta de atendimento para emissão de documentos. O Galileo tem o prazo de dez dias para entrega da documentação nas duas instituições, sob pena de multa.

Estudantes do curso de Medicina da Gama%2C como Ludmila%2C na porta do campus%2C sofrem com falta de definição sobre transferência e colação Alexandre Vieira / Agência O Dia

Apesar do apoio, os alunos estão descrentes. Para eles, conseguir atendimento e documentação é uma tarefa praticamente impossível. Ontem, a fila de estudantes de Medicina que se revezavam em frente à Gama Filho, na Piedade, revelava uma espera interminável.

Publicidade
“Eu me formei no fim do ano passado e estou fazendo provas para residência. Preciso com urgência do meu diploma, sem ele não poderei tomar posse”, disse Rômulo Pilonni, 28 anos, que saiu de Goiás para estudar no Rio.

O drama dos que pretendem se tornar médicos se multiplica: “Nossa colação era prevista para junho. Pagamos a formatura e a foto da turma está marcada para semana que vem. Com que sorriso vamos sair?”, lamenta Ludmila Alves, 24, que se especializará em pediatria.
“É contraditória a postura do governo de importar médicos e fechar uma faculdade de Medicina. O MEC credenciou o curso e muitos o escolheram pela tradição. É a maior faculdade privada de Medicina do país”, protesta Isabela Nogueira, 30.
Publicidade
Presidente do Cremerj e professor de pediatria da UFRJ, Sidnei Ferreira critica a atuação do MEC. “São 2.200 alunos que não podem ser prejudicados pela incompetência do MEC. A situação tem que ser resolvida de imediato, sem que eles percam o período. Como o governo quer abrir 49 novas faculdades pelo país, se não fiscaliza uma na capital do Rio?”, indagou Ferreira.
Alunos pressionam governo
Publicidade
Depois de viajarem de ônibus até Brasília, na terça-feira, cerca de 30 alunos das duas instituições acamparam em um albergue no local. O objetivo é pressionar o governo federal e conseguir uma reunião com a presidenta Dilma Rousseff, para buscar solução do caso.
Eles são contra a alternativa apresentada pelo MEC de transferência assistida para outras instituições privadas, alegando que não haverá capacidade de atender a demanda e falta de garantia da mesma qualidade de ensino.
Publicidade
Já outra comissão, também formada por estudantes das duas faculdades, se reunirá novamente esta semana com o ministro Aluizio Mercadante, para pedir uma solução imediata. O grupo tem cinco representantes do MEC, sete alunos e um membro da UNE.
Prédios trancados na UniverCidade
Publicidade
Em Ipanema, os prédios da UniverCidade, também controlada pelo Grupo Galileo, estão fechados, com cadeados nas portas. Há pouco tempo, 2 mil estudantes circulavam por ali. Os poucos alunos que procuram o local, interessados em transferências, esbarram na falta de quem os atenda.
Os profissionais que vão lá se dizem desolados. “Não sei se tenho emprego. Não recebemos carta quanto à nossa situação”, disse um funcionário, há 14 anos na instituição. A UniverCidade não teria pago os salários dos últimos quatro meses, o décimo-terceiro dos anos de 2007 e 2013 e nem as férias dos dois anos, segundo o funcionário.
Publicidade