Candidato diz que tirou 660 na redação do Enem colocando hino do Flamengo

Francisco Elias da Silva é estudante de informática e contou que fez o exame apenas para testar seus conhecimentos

Por O Dia

Ipanguaçu, RN - O estudante de informática Francisco Elias da Silva, de 26 anos, conseguiu tirar 660 pontos na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), mais do que a média nacional, que foi de 470,8. Porém, em seu texto, o jovem escreveu em um parágrafo do texto parte do hino do Flamengo, o seu time do coração. O trecho foi publicado no blog do rapaz junto com a nota.

O candidato publicou a prova em um blogReprodução Internet


"Como há dois anos um candidato escreveu o hino do Palmeiras na redação e tirou 560, resolvi colocar o hino do meu time do coração. Como a torcida do Flamengo é maior, pensei que ia ter uma pontuação mais alta do que ele. Se eu tivesse sacaneado o Vasco, tinha tirado 800", disse o estudante, em entrevista ao Jornal O Globo.

Francisco contou também que fez o Enem simplesmente para testar seus conhecimentos, já que estuda Informática no Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN), e resolveu testar os corretores. Apesar da brincadeira, o estudante reconheceu que sua redação deve ser anulada de acordo com os critérios de correção.

Mais de 500 mil tiraram zero na redação do Enem

"Acreditava que eu poderia tirar 0. Mas talvez não tenham lido, porque o Enem tem perdido a credibilidade. Precisam aprender a ter mais critério. Teve gente que escreveu muito melhor e tirou nota mais baixa do que eu. Se você quiser a autorização para pegar uma cópia do espelho da redação original junto ao MEC, eu autorizo", frisou Francisco.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira (Inep), órgão do Ministério da Educação (MEC) responsável pelo Enem, tornou os critérios de correção mais rígidos. Em 2014, 529.374 estudantes tiraram nota zero na redação contra apenas 250 pessoas que atingiram a pontuação máxima de mil pontos. Em relação ao desempenho, foi registrada uma queda média de 9,7% em relação ao ano de 2013.

Últimas de _legado_Educação