Na avaliação de alunos, Enem teve poucas questões atuais

Estudantes enfrentam segunda etapa neste domingo. Número de faltas caiu este ano

Por O Dia

Rio - A maratona não acabou. Nem o fôlego. Estudantes que fizeram neste sábado a primeira etapa da prova do Enem não querem saber de dificuldades e apostam no bom desempenho, hoje, nas questões de Matemática e Linguagens, com redação. Entre os cerca de 458 mil candidatos que participaram do primeiro dia do Enem 2015 (Exame Nacional do Ensino Médio) no Estado do Rio hoje, alguns saíram da prova com medo de conferir o gabarito depois — principalmente das questões de Química. Os professores concordam que o conteúdo foi mais complexo do que nos anos anteriores.

Segundo o Inep, 25,32% dos 613 mil inscritos no Rio de Janeiro não compareceram. A taxa de abstenção geral no país foi quase a mesma — 25,31%, menor do que no ano passado. Nos dois dias de prova em 2014, o índice foi de 28%.

GALERIA: Primeiro dia de Enem no Rio

Concentração em frente à Uerj, neste sábadoFoto%3A Bruno de Lima / Agência O Dia

LEIA MAIS

Alunos chegam atrasados no primeiro dia de provas do Enem

Atrasados do Enem viram memes em redes sociais

Enem 2015: 364 candidatos foram eliminados no primeiro dia de prova

Feminismo e globalização marcam o primeiro dia do Enem

“Quem achou que bastaria interpretar os enunciados sentiu mais dificuldade. Houve consenso entre os professores que as questões de Química estavam bastante exigentes. Já em Humanas, os textos estavam mais curtos”, avaliou a professora Daniela Mamede Aizenstein, coordenadora de Ensino Médio do curso Poliedro.

O vigilante André Reis, de 45 anos, foi um dos que saíram inseguros com as questões de Ciências da Natureza. “Os enunciados estavam muito grandes, com textos complexos”, disse.

Candidatos sentiram falta de temas atuais. “Chutei mais do que se fosse capoeira”, brincou Davi Frazão, 21 anos, um dos primeiros a deixar o exame na Uerj. “Os assuntos estavam distantes da realidade dos estudantes. Em História, por exemplo, voltou a cair muita coisa de Idade Média e pouca História do Brasil”, comentou o professor Ademar Celedônio, diretor no Sistema Ary de Sá.

Não faltaram histórias de superação.Com 84 anos, o aposentado Carlos Alberto Barbosa, do Méier, foi até a Uerj para realizar o sonho antigo de cursar Medicina. “É a quarta vez que venho fazer o Enem. Quando passei no vestibular, em 1967, não pude estudar. Tinha que cuidar da família”, contou.

Camila Tobolski, de 23, parou a prova para amamentar a filha de 3 meses, que ficou em em outra sala com avó. Na Uerj, pelo menos três candidatos perderam a prova porque chegaram atrasados.

Revisar o que já aprendeu

Para hoje, professores aconselham os estudantes a não aprender conteúdo novo, mas revisar o que já foi dado. Uma dica é assistir vídeos-aulas na internet, que falem sobre um tema específico. Como a prova é de Linguagens e Matemática, os estudantes podem acompanhar aulões já gravados sobre as duas disciplinas. Também será o dia da Redação.

“A redação do Enem exige que o candidato proponha uma solução para o problema apresentado no tema. Assim, será preciso usar criatividade e conhecimento de mundo para propor soluções fundamentadas, defendendo de forma coerente o seu ponto de vista”, diz Rodrigo Fulgêncio, coordenador do curso Poliedro.

Segundo ele, a proposta de intervenção deve ser realista e respeitar os direitos, evitando qualquer tipo de argumentação preconceituosa ou racista. A leitura de jornais, revistas e conteúdo da internet é indispensável para o candidato se preparar para produção da redação.

Últimas de _legado_Educação