Por bferreira

Rio - Aluguéis com contrato assinado em junho subirão 6,22%. Esse é o percentual acumulado em 12 meses pelo IGP-M da Fundação Getúlio Vargas (FGV), indexador do reajuste divulgado ontem. O cenário para estes locatários está mais favorável em relação a abril, quando a elevação apontada foi de 7,3%. Na análise de maio, o indexador não apresentou variação ante a alta de 0,15% verificada em abril.

Com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência, o IGP-M é composto por três indicadores: o Índice Nacional da Construção Civil (INCC), o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) e o Índice de Preços por Atacado (IPA).

Com peso de 10% no IGP-M, o INCC foi o único dos que teve alta no mês. De 0,84% em abril para 1,24% em maio. O fator de maior influência foi a valorização do custo da mão de obra, que subiu 1,88% após alta de 1,15% no mês passado, em virtude dos reajustes salariais aplicados aos trabalhadores.

O IPC, com peso de 30% no índice geral, desacelerou a alta para 0,33%, contra 0,60% visto anteriormente. A principal contribuição para o resultado do índice partiu do grupo Alimentação. Já o IPA, com peso de 60%, apresentou deflação de 0,30%, após índice negativo de 0,12% em abril, também sob forte influência na queda de preços dos alimentos in natura.

DESTAQUE PARA O TOMATE

Vilão da inflação neste início de ano, o tomate, que encareceu 11,69% em abril, agora em maio deflacionou 14,06%. No atacado, houve queda de 18,95% no preço do produto, depois de uma alta de 18,72% em abril.

Você pode gostar