Por paulo.gomes

Rio - Construtoras voltam seus olhares para sub-bairros vizinhos à Freguesia, área nobre de Jacarepaguá, principalmente após o veto da Prefeitura do Rio para novas construções naquela localidade. Assim, áreas como Taquara, Tanque, Pechincha e Praça Seca registram aumento no número de lançamentos residenciais e comerciais.

Forum Empresarial é uma opção comercial na TaquaraDivulgação

Sem contar que nestes locais ainda é possível encontrar imóveis com valor de metro quadrado menor do que na Freguesia, em condomínios com infraestrutura completa de lazer e segurança. “Podemos falar em cerca de 20% a 30% de diferença no valor”, diz Sandro Santos, diretor da Sawala Imobiliária.

Segundo ele, antes mesmo do veto da prefeitura, já era possível ver a tendência de valorização nas outras regiões devido a obras de infraestrutura que estão sendo feitas.

Mega 18 Construtora, Brookfiled, João Fortes Engenharia, Grupo Avanço Aliados, Rubi, Santa Cecília e Grupo CPS são exemplos de empresas que investem fora do eixo da Freguesia. Só o Grupo CPS, por exemplo, tem nove prédios em andamento, a maioria na Taquara. Um deles é o Bela Vista, com 30 unidades, e preços a partir de R$198 mil. Já a Santa Cecília levou o conceito de condomínio-clube para o Pechincha com o Esmeralda Clube Residencial. O Grupo Avanço Aliados também investe no Pechincha com o Stilo Residencial, que está em construção e já foi 100% vendido. Na Brookfield, as opções são o Atelier 3 Rios, o Vila Bela e o Mio Residencial.

Salas e lojas também estão em alta em Jacarepaguá

Além dos residenciais, quem procura por salas ou lojas em Jacarepaguá encontra muitas opções, principalmente na Taquara. É o caso do Fontana di Successo, condomínio empresarial com 358 salas e 14 lojas. O Forum Empresarial da Taquara, da João Fortes Engenharia, tem 247 unidades e terraço de convivência para reuniões ao ar livre.

A Rubi Engenharia oferece o Unique Offices, com 178 salas e sete lojas. A construtora Martinelli também concentra seus lançamentos comerciais na região e agora está investindo na Praça Seca.

“Temos, atualmente, três comerciais, um na Taquara, um no Pechincha e um na Praça Seca. São bairros cada vez mais valorizados. Quem comprou na época do lançamento uma sala no Blue Business, por exemplo, pagou R$ 105 mil. Hoje esta mesma sala vale em torno de R$ 175 mil”, afirma José Luiz Martinelli, diretor da empresa.

Você pode gostar