Por paulo.gomes

Rio - Empreendimentos construídos com a premissa de sustentabilidade e alto padrão vão ajudar a compor a nova Zona Portuária do Rio. Sofisticação e tecnologias de ponta devem se aliar a conceitos de integração urbana. O primeiro a ser lançado na região, o Complexo Porto Atlântico tem ocupação média de 28 mil metros quadrados divididos em dois terrenos, o Porto Atlântico Leste e o Oeste.

Sofisticação e tecnologia de ponta marcam os projetos imobiliários do Porto do RioDivulgação

A construção é fruto de uma parceria entre a Odebrecht e a incorporadora Performance e reunirá em um único espaço edificações corporativas, comerciais, hoteleiras (com 450 quartos) e lojas. As salas comerciais e a torre corporativa do Porto Atlântico Leste têm pré-certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) que prevê a adoção de medidas para aumentar a eficiência no uso de recursos. O foco é a redução de impactos socioambientais.

“Queremos construir um espaço com elevado padrão de conforto e segurança, mas aberto ao entorno, que se comunique com a rua e com as pessoas”, afirmou Rodrigo Melo, diretor regional da Odebrecht.

O Porto 1 é o segundo da fila e deve ser lançado ainda esse mês, na Rua Almirante Mariath, próximo ao Instituto de Traumatologia e Ortopedia (Into). Voltado para atender às demandas de grandes e médias empresas, em especial às que estão ligadas à exploração do petróleo na área do pré-sal, também incorpora o conceito de sustentabilidade, com o selo LEED pré-certificado pelo Green Building Council.

Porto é saída para mercado supersaturado

Luiz Henrique Rimes, diretor nacional de negócios da João Fortes, acredita que investir na região portuária foi a saída para o mercado especializado no atendimento do público corporativo continuar crescendo.

“Nos últimos três anos, os lançamentos comerciais, com salas para profissionais liberais e pequenas empresas, saturaram as regiões da Barra, Tijuca, Recreio e Centro”, analisou.

A construtora aposta que a cadeia produtiva de exploração do pré-sal vá se instalar no Porto, e para receber essas empresas e trabalhadores, a Porto 1 estará lá.

Com 5 milhões de metros quadrados%2C região se torna um novo bairroDivulgação

Infraestrutura será bom motivo para compra de unidade

Os benefícios da modernização do Porto não vão contemplar apenas os empresários que trabalharão no local. “Também na visão de quem compra, a região com quase cinco milhões de metros quadrados será ótima para tudo, seja morar, trabalhar e investir. Está sendo feito praticamente um bairro novo e com localização privilegiada, inclusive com uma linda vista para a Baía da Guanabara”, aposta Mario Amorim, diretor-geral da Brasil Brokers no Rio.

Além disso, os empreendimentos vão contar com infraestrutura de alto padrão, que inclui cabeamento em fibra ótica, novas vias de deslocamento, implantação do VLT e uma rede pluvial toda refeita.

“O Porto Maravilha vem preencher o espaço que o Centro precisava para crescer. Há mais de 25 anos que o mercado não conseguia oferecer renovação de imóveis na região”, disse Amorim.

Luiz Henrique Rimes, diretor nacional de negócios da João Fortes — responsável pelo Porto 1 — estima que cerca de 30 projetos estejam nesse momento em aprovação na prefeitura.

Você pode gostar